Do you speak English? | Parlais vous Français?

O que é o unschooling?

"Também denominado aprendizagem direccionada pela criança e aprendizagem natural, o termo unschooling foi originalmente usado por John Holt. O método é exatamente esse: nada de escola.


Unschooling é um dos métodos do ensino doméstico, muito bem aceite por famílias norte-americanas e europeias. As crianças que seguem o ensino doméstico não vão à escola para aprender. Toda a aprendizagem é feita a partir de casa. O unschooling é ainda mais livre, apregoando que na aprendizagem as crianças devem seguir os seus próprios ritmos. A aprendizagem torna-se simplesmente uma parte natural da vida. Todos os dias é a criança que decide o que quer fazer, se quer ir à biblioteca ler sobre baleias ou passar o dia fazendo experiências científicas na cozinha.

À medida em que crescem começam geralmente a integrar aulas e cursos externos. O importante é que são os jovens que controlam os seus horários e que fazem os ajustes necessários para os cumprir. Como observa um jovem que não frequentou escola: "estou a planear o que fazer. Tenho um grande sentido de responsibilidade naquilo que faço. Em vez de me forçarem a andar de actividade em actividade e me obrigarem a fazer determinadas coisas em determinados dias e horas, sou eu quem decide". Com esse poder de decisão vem a responsabilidade da gestão do tempo.

Os pais estão sempre à mão para dar apoio. Eles encorajam e ajudam a manter o ambiente de aprendizagem rico e real, respondendo a perguntas e funcionando como uma fonte de ideias, mas seguindo sempre as directrizes dos filhos."

Por Katherine Neer, adaptado daqui.
Bookmark and Share

A minha visão de proecto educativo


Interrogações:
·         Nós pensamos que sabemos o que as crianças querem. Pensamos que elas querem que confiemos que elas são capazes de saber quais as suas necessidades. Não será isto tão impositivo como qualquer outra abordagem?
·         Conseguirá a escola (pública ou privada) responder às necessidades de todos o pais e todas as crianças?
·         Necessitamos de mais berçários, creches, infantários ou me mais formas criativas/alternativas de manter mães e filhos juntos? (http://www.naturalchild.org/jan_hunt/daycare_dilemma.html)


Provocações:
·         A beleza dos limites é que nos inspiram a ultrapassa-los;
·         As escolas pegam no instinto que nos leva a explorar, conhecer e aprender sobre os nosso meio e molda-o no que supostamente se adequaria a todos os seres humanos;
·         Rotinas e ritmos são coisas diferentes;
·         Uma ama/ educadora não é uma substituta de mãe;

A minha visão de projecto educativo (0 aos 7 anos)
(aproximação reflexiva)

A minha visão é a de um projecto educativo que permita às nossas crianças aprender em conjunto e em liberdade e às suas mães, acompanhando este percurso d aprendizagem, dispor de alguns dias por semana para actividades profissionais remuneradas tendo a garantia de que os seus princípios educativos são respeitados.


A escola é uma comunidade
·         Actividades de lazer para toda a família;
·         Todos os pais participam nas actividades da escola desde a planificação à implementação – cada família dá uma manhã/tarde à escola;
·         Os cuidadores devem ser do sexo masculino e feminino para não se limitar a convivência das crianças a adultos do sexo feminino:
·         Os pais vão com as com as crianças para a escola e aí desenvolvem actividades produtivas conjuntas que as crianças a partir de 1 ano podem (ou não) acompanhar (ex. jardinagem, costura, culinária);
·         As crianças e os pais participam na confecção das refeições;
·         Não existência de turmas por idades. Crianças de várias idades aprendem em conjunto: as mais velhas aprendem a cuidar dos mais novos e estas aprendem imitando as primeiras;
·         Círculos femininos;

Orientação CC, AP e Waldorf:
·         Até aos 7 anos o cérebro da criança não deve ser muito estimulado, a esta deve ser permitido viver num mundo de sonhos pois está espiritualmente conectada com o universo;
·         Prático, cíclico, espiritual;
·         Crianças aprendem a ser auto-responsáveis;
·         Contacto com a natureza; Actividades ao ar livre;
·         Celebrar as estações do ano, as festividades do ponto de vista espiritual;
·         Fadas, elfos e anjos existem, as crianças podem comunicar com eles e assim estabelecer uma ligação com o mundo natural;
·         As crianças estão ligadas ao mundo espiritual;

·         Respeitar os ritmos das crianças e estes podem não ser os de uma abordagem pedagógica (mesmo que seja a Waldorf). Cada criança sabe quais são as suas necessidades e estas devem ser respeitadas não se impondo actividades para as quais não estão despertas;
·         Uma criança pode mostrar interesse pelas letras (leitura, escrita) num dado momento e desinteressar-se novamente devendo esse ritmo ser respeitado. A seu tempo e com o devido apoio, todas as crianças acabam por aprender;
·         Uma criança deve poder explorar um assunto/tema até que este já não tenha interesse para ela e não nos tempos delimitados por um programa escola;
·         Há muitos assuntos/temas, passíveis e serem estudados, que poderiam interessar uma criança e que não fazem parte dos programas escolares;
·         As crianças trabalham lado a lado com os adultos nas suas actividades diárias;
·         Carga horária reduzida;
·         Dançar, cantar, contar histórias;
·         Acreditar que as crianças podem explorar o meio sem se magoarem e sem ser necessário alerta-las constantemente para possíveis perigos;
·         Utilizar ferramentas iguais às dos adultos, sempre que necessário “reshaped” para crianças;
·         Os ritmos da escola devem respeitar os ritmos inerentes à diversidade e riqueza cultural das crianças que a frequentam (ex. o nível da culinária, da música).
·         Quanto a festividades, deve ser realçado o espírito subjacente às mesmas em detrimento dos seus icons e/ou dogmas;
·         Ligação com a mãe terra e á energia universal;
      ·         Espiritualidade sem religião;
·         Comida bio e vegetariana;
Bookmark and Share

Salvar o mundo não fazendo nada!


http://www.thecowgoddess.com/

Bookmark and Share

Assistência ao parto normal

Historicamente a assistência ao parto era de responsabilidade exclusivamente feminina, pois apenas as parteiras realizavam essa prática. Sabe-se que as mesmas eram conhecidas na sociedade pela suas experiências, embora não dominassem o conhecimento científico. Assim, os acontecimentos na vida da mulher se sucediam na sua residência, onde elas trocavam conhecimento e descobriam afinidades, sendo considerada incómoda à presença masculina durante a parturição. 
 
Entretanto, partir do século XX na década de 40, foi intensificada a hospitalização do parto, que permitiu a medicalização e controle do período gravídico puerperal e o parto como um processo natural, privativo e familiar, passou a ser vivenciado na esfera pública, em instituições de saúde com a presença de vários atores conduzindo este período. Esse fato favoreceu a submissão da mulher que deixou de ser protagonista do processo parturitivo. 
 
Diante do exposto, a mulher perdeu sua privacidade e autonomia, foi separada da família e submetida a normas institucionais e práticas intervencionistas sem o devido esclarecimento e consentimento da parturiente e foi oferecido para mulher e seu bebé uma assistência com aparente segurança. 
 
Neste processo, o parto passou a ser vivenciado como um momento de intenso sofrimento físico e moral. O medo, a tensão e a dor das parturientes nesse modelo de assistência impedem o processo fisiológico do parto normal, o que pode culminar com práticas intervencionistas que, na maioria das vezes, poderiam ser evitadas.

Para o bom desenvolvimento do trabalho de parto, é necessário o bem estar físico e emocional da mulher, o que favorece a redução dos riscos e complicações. Para tanto, o respeito ao direito da mulher a privacidade, a segurança e conforto, com uma assistência humana e de qualidade, aliado ao apoio familiar durante a parturição, transformam o nascimento num momento único e especial.


O apoio emocional de um acompanhante de escolha da parturiente é eficaz para que a mulher possa suportar a dor e tensão. Neste sentido, o acompanhante necessita do apoio e colaboração dos profissionais de saúde na condução adequada da assistência à mulher. É importante que os profissionais de saúde estejam sensibilizados quanto à relevância da presença do acompanhante para parturiente no decorrer do trabalho de parto, como também precisam estar preparados para executarem suas actividades junto ao acompanhante e parturiente, informando-os sobre a evolução e condutas a serem realizadas durante o processo de nascimento. São atitudes simples, mas eficazes que podem influenciar positivamente a realidade da assistência da mãe e seu concepto. 

Artigo completo aqui (Rev. bras. enferm. vol.60 no.4 Brasília July/Aug. 2007)
 
Bookmark and Share

O parto como facto social e condição de género | Adriana Tanese Nogueira

A abordagem ao parto muda conforme o país no qual acontece. Isso porque o parto é um facto social, a sua visão e prática dependem da sociedade no qual está inserido. Não podemos compreender porque o parto é vivenciado, praticado e ensinado numa determinada maneira sem compreender a sociedade e, sobretudo, as relações sociais de género desta sociedade.

Relações de géneros são relações entre homens e mulheres situadas na realidade social. Uma relação de amor também é uma relação de género, uma vez que ela é realizada por um homem e uma mulher que cresceram e se formaram mental e emocionalmente num determinado contexto histórico-social e cultural.

Todos somos historicamente condicionados, manifestamos os preconceitos típicos de nosso tempo, classe social, visão de mundo, padrão afetivo e psicológico. Não podemos estar imunes a esse tipo de condicionamento, porém, podemos estar conscientes dele e nos libertar na medida do possível e do desejável.

(...)

O parto não poderia fugir dos condicionamentos culturais e das relações de género, uma vez que ele é um facto que acontece às mulheres e uma vez que a medicina é um campo prioritariamente masculino e seu modelo de análise está fundamentado naquelas que a psicologia junguiana associa a características masculinas: razão, praticidade, rapidez, linearidade no pensamento, tecnologia. Apesar destas qualidades (masculinas) serem positivas em si, elas tornam-se negativas quando assumem o monopólio na forma de entender a realidade e, sobretudo, produzem estragos quando aplicadas ao pé da letra ao parto.

(...)

A realidade social na qual as mulheres estão inseridas não é favorável  e as características psicologicamente
associadas ao feminino (sensibilidade, sentimento, intuição, ciclicidade, conhecimento vivencial, receptividade) não são nem apreciadas nem muitas vezes levadas em conta. Não são valorizadas no dia a dia, no âmbito profissional, no mercado e muito menos na forma como se faz ciência e se aplica a medicina.

(...)

A ausência do princípio feminino é evidente na falta de bom senso quando se lida institucionalmente com parto, amamentação e maternidade. As instituições sociais e a própria estrutura da sociedade são projetadas por homens para homens na faixa etária em que podem produzir. Mulheres com seus ciclos, tempos e ritmos, seus filhos, menstruações, menopausas, mamadas, mulheres com olheiras por noites sem dormir, preocupadas com filhos, doenças, notas escolares, problemas de aprendizagem, solidão... Mulheres
assim têm pouco espaço e pouca compreensão na realidade social em que vivemos. Mulheres com seus úteros são um estorvo para muitas empresas. Bebês que choram que precisam de colo, de presença, de silêncio, de alegria e harmonia incomodam, nada têm a ver com produtividade, controle do tempo, agendas lotadas, barulho e prazos.

A experiência do parto contém um ingrediente diretamente ligado à dimensão de cidadania. Ela levanta as questões relativas ao lugar que as mulheres ocupam na sociedade, a suas atitudes cidadãs, a seu poder (ou impotência) social, seu reconhecimento (ou invisibilidade), sua voz (ou seu silêncio). Todas as verdadeiras transformações interiores se refletem em novos comportamentos e atitudes no mundo. Estamos diante a um novo desafio para as mulheres.

Adriana Tanese Nogueira - 08 de Março de 2005

Bookmark and Share

As cresches e jardins de infância portugueses ver televisão é uma actividade didáctica


A maioria dos pais estão insatisfeitos com a oferta de creches e jardins-de-infância na sua área de residência, revela o nosso inquérito a 2900 pais.


Cerca de 2 em 5 famílias com crianças em creches garante que este encargo é uma parcela importante nas finanças. Por criança, gastam um valor de referência mensal de € 150 numa creche e € 110 num jardim-de-infância. Mas o custo chega a ultrapassar, em Lisboa, os € 300 mensais. Em 80% dos casos, os pais inscrevem os filhos antes de começarem a frequentar a instituição, em média, 5 meses antes.

Metade das mães inquiridas ficou 5 meses em casa com o bebé, com salário reduzido. No regresso ao trabalho, 20% enfrentaram problemas: 9% sentiram hostilidade do chefe ou colegas, enquanto 7% não usufruíram das horas de amamentação a que têm direito.

Mais de 30% das crianças permanecem mais de 9 horas na creche, o que é sinónimo de mais tempo em frente do ecrã. Nas creches, mais de 70% vê televisão e tal acontece quase todos os dias para mais de metade. Nos jardins-de-infância, a esmagadora maioria (90%) vê televisão e, segundo os pais, esta rotina é quase diária para 43 por cento.

A DECO reivindica que as creches e jardins-de-infância, públicos ou privados, devem estar sob a alçada do Ministério da Educação. As creches, à semelhança de outros países europeus, como Espanha, Dinamarca, Finlândia e Suécia, devem deixar de ser encaradas apenas como um serviço social. Segundo dados de 2008 do Ministério do Trabalho e Segurança Social, a cobertura de creches e amas era de 30% e a dos jardins-de-infância, de 77 por cento

Mais info sobre este artigo da DECO

Bookmark and Share

Porque é que, actualmente, parece haver um conflito entre ser mulher e ser mãe?

Segundo Elisabeth Badinter, e que na minha opinião é irrefutável, não existe um modelo perfeito de mãe mas sim escolhas parentais que se devem adaptar ao contexto e necessidades de cada mulher. Mas o que fazer quando as necessidades da mãe esbarram nas necessidades dos filhos? Qual o peso do social e do biológico na determinação dessas necessidades? Se a primazia da nossa vida em sociedade não estivesse no consumo  - e no trabalho que permite auferir o rendimento que dá acesso aos bens de consumo - as necessidades básicas do ser humano seriam as mesmas?  As necessidades de um recém nascido e de uma puérpera seriam as mesmas?

Outra verdade irrefutável no seu discurso é o facto de ser necessário ter em conta a diversidade inerente ao conceito de feminino. Ser mulher não significa ser mãe, nem ser um determinado tipo de mãe.

Depois, temos as questões controversas e quanto mais exploro as posições da autora sobre a maternidade, mais considero que estas só fazem sentido no quadro da dicotomia consumo/trabalho. De notar também que as escolhas e práticas parentais vão muito para além da saída, ou não, da mulher de casa para trabalhar e essa diversidade está ausente do discurso da investigadora. 

Diz-nos E. Badinter que, a OMS e a UNICEF decretaram a amamentação exclusiva e em livre demanda até aos seis meses e a amamentação até, no mínimo, aos dois anos por terem cedido às  pressões de uma América católica e conservadora que obriga, para poder cumprir com as recomendações em causa, a mulher a ficar disponível para os seus filhos 24 horas por dia sob risco de não ser considerada uma boa mãe.

Diz-nos ainda que a licença de maternidade pode ser um presente envenenado dado que assistimos ao Estado a impor um ideal de mãe. Este ideal de mãe socialmente imposto, pode ser responsável pelo decréscimo da natalidade em muitos países ocidentais (nos quais a autora inclui Portugal) dado que as mulheres que queiram ser profissionalmente bem sucedidas tentem a não desejar ter filhos. A autora fala na necessidade de apoiar as mães que trabalham e isso não passa por alargar as licenças parentais mas, infelizmente, não nos indica como esta ajuda se poderia consubstanciar. Afirma também que as mulheres que optam por tirar a licença parental alargada, não encontram os seus postos de trabalho quando esta termina e ficam, devido ao desemprego e falta de independência financeira, alienadas em casamentos que, muitas vezes, já não são satisfatórios.

Como justificação para o facto de a taxa de natalidade em França não ser tão reduzida como noutros países europeus, a investigadora aponta o facto de na sociedade francesa as mulheres preferirem suprir primeiro as necessidades dos maridos e só depois as dos filhos o que significa que estas não abdicam do seu papel de esposa que contribui para o orçamento familiar mesmo tendo filhos - e não são julgadas por isso - e por isso não necessitam de se privar de os ter.

As posições da filosofa são controversas por exemplo, quando afirma que os movimentos ecologistas são machistas e estão, em nome do ambiente,a empurrar a mulher à reclusão do lar. Tenho que concordar que um Governo que visa taxar as fraldas descartáveis por estas serem muito poluentes em vez de dar icentivos para que se criem alternativas igualmente descartáveis mas biodegradáveis, é um Governo que, como diz a autora, se preocupa mais com o ambiente do que com as mulheres mas também poderá ser, digo eu, um Governo que vê em todo o lado oportunidades para arrecadar dividentos de impostos. Mais difícil de concordar é com a crítica da autora às mulheres que optam por não tomar a pílula contraceptiva, por ter partos sem epidural e/ou em casa por, diz-nos, estarem aterrorizadas com tudo o que é articifical.

Fala-nos ainda da necessidade feminina de ajustar contas com as suas mães e no papel deste "ajuste de contas" na saída das mulheres para o trabalho "não vou ficar sacrificar a minha vida e ficar em casa como a minha mãe" - diziam as mães nos últimos 30 anos - versus o actual "primeiro o meu filho, não vou trabalhar e relega-lo para segundo plano como a minha mãe".

 Uma outra opinião controversa é a de que, com as actuais directivas sobre o aleitamento materno, os pais se tornam meros espectadores que deixaram de ter que se preocupar em dar o beberão aos filhos. Mas, pergunto eu, a participação activa nas tarefas domésticas, com ou sem filhos, passa apenas por dar um biberão?

A supressão das desigualdades de género não passam por decidir se é a mãe que amamenta a cria ou o pai que lhe dá o biberão. Fazer a mãe ir trabalhar uns dias depois de dar à luz ou ter uma sociedade que se organizou de forma a que tanto mulheres como homens se sentem sozinhos e infelizes em casa com os filhos - e por isso preferem ir trabalhar - também não é grande garante de igualdade. Da mesma forma que ser mulher não deve ser sinónimo de ser mãe, ser humano/a não deve ser sinónimo de ser trabalhador/a.

Finalmente,esta obra - e as posições consentâneas com a mesma - prima pela ausência de referências às necessidades dos recém nascidos e das crianças e parece fazer uma dissociação entre estes e o mundo dos adultos como se nenhum de nós nunca tivesse sido bebé e criança.




Bookmark and Share

O Mito da super mãe: naturalismo, conservadorismo...? Parte II (ou a real importância de uma definição quantificável de mãe)


Poderia opinar sobre o livro escrito pela filósofa e feminista francesa Elisabeth Badinter, mas ainda não tive oportunidade de o ler e, neste momento, estou mais intrigada com o debate nacional, em torno do mesmo, que parece ter ignorado uma das chaves que a autora fornece para a compreensão deste fenómeno, "a escolha".

O título, "Regresso do mito da super mãe" encerra em si um conjunto de contradições que são, na minha opinião, o espelho da importância atribuída na nossa sociedade às mulheres, às mães e às crianças.

Do (não) direito à escolha:

Parece-me interessante que as escolhas individuais em relação à maternidade sejam alvo de crítica pública e que estas críticas venham de mulheres que se dizem feministas e emancipadas. Ser feminista não implica ser masculina e, na minha humilde opinião, a tecnicização da gravidez, parto e cuidados aos bebés (incluindo aleitamento/alimentação) corresponde à masculinização do universo feminino. Se verificarmos atentamente, os movimentos feministas são mais ou menos conservadores, mais ou menos emancipados - dependendo do contexto em que se inserem - e por isso dissociar feminismo e maternidade parece-me ser um "erro grosseiro" só justificável numa sociedade que faz a apologia do sucesso mas nunca o associa à maternidade.

Da mãe presente e disponível:
É interessante verificar que se apelidem determinadas escolhas de maternidade de "presente" e “disponível” sem se problematizar o facto de estas poderem ser o antónimo de "maternidade ausente" e “mãe indisponível”. Também é interessante que nesta equação entrem apenas "mães presentes" que são donas de casa conservadoras e mães trabalhadoras/ emancipadas quando a maioria das mães se situa num cinzento intermédio ainda por definir. O que dizer das mães que estão em casa sendo ausentes e indisponíveis e das que "trabalham fora" sendo presentes e disponíveis? O que as define, as suas práticas e representações ou o local onde trabalham (ou a remuneração associada a esse trabalho)?

Da medida de felicidade:
Afirmar que o importante é a "qualidade" e não a "quantidade" de tempo que se passa com os filhos e que os filhos de mães trabalhadoras são mais felizes, tendo por base uma amostra constituída por mães isoladas na sua maternidade e nas suas vidas, descuradas por uma sociedade que não atribui valor nenhum ao trabalho doméstico e muito menos à maternidade traz à superfície a falácia da extrapolação em ciências sociais.
Quais seriam os resultados se a amostra fosse constituída por famílias cujas mães escolheram, de forma consciente e informada, alicerçada numa rede de suporte e em princípios bem estruturados, ser as principais cuidadoras dos seus filhos (não querendo isto dizer que deixou de ter uma existência fora do seio familiar)?

Do mito da super mãe:

Amamentar e estar presente para os filhos pode ser mesmo entendido como uma tirania para uma mãe que trabalha a tempo inteiro, tem 1001 responsabilidades dentro e fora do seio familiar. Ser mãe torna-se impossível quando se tem que ser também super mulher, super competente, super inteligente, super bonita, super sensual, super organizada, super divertida, super moderna… É ainda mais impossível quando a mulher tem que desempenhar todos estes "super-papeis" em total isolamento (procuram-se super pais, super avós...) e sem o reconhecimento social que é atribuído a todas as outras actividades que possa desempenhar. É sabido que o reconhecimento da importância do papel da mãe constitui uma ameaça à vigente dominação masculina e não quero com isto dizer dominação dos Homens porque o masculino e o menino estão muito para além dos sexos. Será por isso que a figura da “super mãe” nem na mitologia existe? Veja-se a histórica tentativa de acabar com a adoração das deusas-mãe.


Do regresso sem ponto de partida:
Diz-se que a "maternidade presente" é um "regresso ao naturalismo" qual movimento de "regresso ao verde", ao rural idealizado? De que estamos a falar concretamente, um regresso ao quê? Regresso à submissão feminina vivenciada nos últimos séculos? Onde se situa o ponto a que os "naturalistas" querem regressar?·

Sem atentar à contradição com o anteriormente enunciado, as escolhas parentais ditas presentes, são também vistas como um “retrocesso ideológico” fruto da escalada do conservadorismo típico dos tempos de crise - qual movimento patriótico, racista, xenófobo - o que demonstra um absoluto desconhecimento do perfil destas mães e famílias “presentes e disponíveis”.
Da motivação para a escolha das práticas parentais:
Não se fazem mães sem filhos e estes parecem estar sempre ausentes das discussões - mais ou menos ideológicas - em torno da maternidade/ parentalidade. Afinal, parto natural, a amamentação exclusiva e prolongada, o babywearing, a co-sleeping, a comunicação não violenta, a alimentação bio, a comunicação eliminação ... pretendem ir ao encontro das necessidades dos bebés, do ser humano enquanto espécie ou foram práticas inventadas para nos ajudarem a construir mais uma definição quantificável de mãe?

Dos pais e mães portugueses(as):
Quem são as mães e pais cujas escolhas geraram a discussão? Afinal, também falam português e vivem em Portugal? Quais as suas práticas, crenças, expectativas e representações? O que os motiva? Em que princípios se baseiam? Comunicam entre si? Há outras práticas, para além das parentais, que os unem?

Bookmark and Share

O mito da super mãe: naturalismo, conservadorismo...? Parte I



O mito da supermãe está a regressar

Para a filosofa e feminista francesa Elisabeth Badinter, "uma revolução silenciosa" instalou-se nos últimos anos em França depois da revolução feminista dos anos 1960. O resultado é um retrocesso ideológico relativamente ao papel das mulheres, com "um regresso ao naturalismo" na maternidade e a "culpabilização das mães", pressionadas a amamentar os filhos, a abdicar da carreira, a serem uma espécie de "supermães".

O livro "Le conflit, la femme et la mère" (Flammarion) saiu há uma semana em França, está no topo das listas de vendas e tem dominado o debate, envolvendo políticos e intelectuais, feministas e não feministas, mulheres e mães que, nos blogues ou na imprensa, dizem ser a favor ou contra as ideias do livro.

Umas identificam-se plenamente com o alerta lançado por Elisabeth Badinter e dizem ter finalmente encontrado alguém que as compreende; concordam com o princípio de que a sociedade impõe um modelo de maternidade que as faz esquecerem-se de si próprias, do seu corpo, do seu trabalho, da sua sexualidade, e reconhecem a pressão subjacente ao facto de que a identidade feminina se afirma através da maternidade. Outras refutam a ideia de que amamentar e ser uma mãe presente e disponível para os filhos representa um castigo ou uma tirania, como defende a autora.

Estando ou não de acordo, a análise de Badinter é "absolutamente crucial, uma reflexão que não tem sido feita, um grito de alerta muito importante neste momento", disse ao P2 Ana Cristina Santos, socióloga especializada em Estudos do Género e investigadora no Birbeck Institute for Social Research de Londres.

Direito à escolha
A especialista portuguesa reconhece o lado verdadeiro no discurso de Elisabeth Badinter, mas diz que feminismo e maternidade "não são irreconciliáveis", desde que prevaleça "o direito à escolha", essa grande conquista dos movimentos feministas no século XX. E lembra o slogan que dominou as campanhas para a despenalização do aborto em Portugal - "A maternidade deve ser uma escolha, não um castigo" - para dizer que ele ilustra esta tensão entre feminismo e maternidade. Essa tensão, porém, "não é inevitável", insiste.

A investigadora nota que, na Noruega, foi o movimento feminista que conseguiu que a licença de maternidade fosse prolongada para um ano - ser feminista não significa necessariamente ser contra um modelo de mãe presente.

"Não podemos assumir escolhas pelas pessoas. Essa ênfase no direito à escolha e à autodeterminação individual é a herança comum dos movimentos feministas", frisa.

Em Portugal, especifica, este regresso ao naturalismo não se verifica de forma tão contundente, embora "haja pressão para as mães amamentarem". Muito importante para esse debate sobre os benefícios da amamentação tem sido a posição da comunidade médica e científica - agora diz que o leite materno é melhor para os bebés, mas nos anos 1960 e 1970 dizia que era o leite em pó.

Representante do movimento feminista português, Maria José Magalhães reconhece o fenómeno que aponta Elisabeth Badinter, mas considera que ele é mais notório noutros países.

"Em Portugal, o retrocesso ideológico relativamente ao papel das mulheres na sociedade é menor porque acontece em paralelo com os avanços ideológicos no que se refere à igualdade", disse ao P2 a presidente da UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta) e investigadora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Maria José Magalhães enumera a igualdade no trabalho, a aprovação das licenças de maternidade e paternidade, a despenalização do aborto em 2007. Mas reconhece: "Na ideologia conservadora, há este novo mito de a mãe ficar a cuidar dos filhos e volta este ideal da maternidade. Quando há grandes crises, surgem essas ideias".

Mas nota que um estudo de 2008 (revisão de vários estudos feitos nos Estados Unidos desde a década de 1970) concluiu que os filhos de mães trabalhadoras são mais felizes, mais bem sucedidos e mais resistentes do que os outros. "Se a mãe não se sentir realizada, a relação com a criança também não é boa", salienta a investigadora. O mais importante para a relação não é a quantidade, mas "a qualidade" do tempo que a mãe passa com a criança.

Ana Cristina Santos reconhece, como Elisabeth Badinter, que "existe um discurso conservador que tem de ser desafiado". Mas modera a questão, apontando um ponto de vista diferente: "O discurso da mulher como mãe também tem uma componente emancipatória porque tem significado direitos adquiridos [como a licença de maternidade] e tem representado reconhecimento social para as mulheres".

Um primeiro passo
O livro é dedicado a Robert Badinter. O marido da escritora e distinto jurista foi o responsável, enquanto ministro da Justiça do Presidente François Mitterrand, pela abolição da pena de morte em França em 1981, um combate que iniciara em 1972. Poderá este acontecimento mudar as mentalidades, as dinâmicas? Será Elisabeth Badinter uma segunda Simone Veil, ministra da Saúde que, em 1974, lutou e conseguiu que fosse aprovada a despenalização da interrupção voluntária da gravidez em França? Ou será este livro apenas mais um episódio de passagem no debate feminista?

Muito vai depender da forma como "o movimento feminista agarrar o tema", considera Ana Cristina Santos. "Se aproveitar o embalo para discutir estas questões, para demarcar espaço social e político também nesta área da maternidade [como o tem feito com o aborto e a violência doméstica], então acho possível fazer-se a diferença. Senão será apenas um primeiro passo, mas um passo importante."

In: Público - http://www.publico.pt/Sociedade/o-mito-da-supermae-esta-a-regressar_1423878


Bookmark and Share

Porque as birras acontecem.......

Independentemente do tipo de pais que queremos ou conseguimos ser, vai sempre haver um (ou muitos) dia(s) em que os nossos filhos se vão atirar ao ar (ou ao chão) a fazer uma grande birra. São crianças, ainda não aprenderam a esconder as emoções e quem me dera, de vez em quando, ter a liberdade de também dar uns gritos e pontapés sem ninguém para me recriminar por isso :)

Uma vez, vi um miúdo a chorar e gritar de tal maneira por não o deixarem fazer determinada coisa que até ficou com falta de ar e tiveram que o socorrer com uma maquineta de vapores. Fiquei impressionada com aquilo. Todos estavam em sofrimento e penso que muito dificilmente alguém poderia dizer que aqueles pais estavam errados por não deixar o seu filho de 3 anos ir para a rua numa noite de frio e chuva (era disso que se tratava).

O miúdo já estava constipado, tinha febre, estava com sono e havia visitas em casa. Agora penso que a birra e a crise de falta de ar foram a única forma que ele encontrou de exprimir o seu mal estar.

Só espero saber lidar, de forma não violenta, com situações destas quando acontecerem com os meus filhos porque sei que vão acontecer :)

Bookmark and Share

"Consuming Kids: The Commercialization of Childhood"



onde isto chegou: És o que compras! Se investissem em fazer o ser humano mais feliz.........



A apologia do supérfluo e da violência.

Um bebé de  6 meses reconhece marcas.



Uma criança com menos de dois anos não só não aprende nada com a exposição aos media como pode desenvolver danos cerebrais.


 
Bookmark and Share

Amamentação exclusiva até aos seis meses, porquê?

Amamentação exclusiva significa sem água, sem chá, sem leite em pó... só, exclusivamente leite materno.

A doula Mariana Simões, explica-nos no seu blog Parir com a Alma, os porquês da amementação exclusiva até aos seis meses.

Porquê?
Porquê amamentar exclusivamente até aos 6 meses?

A resposta imediata é muitas vezes...Porque são as indicações da OMS(Organização Mundial de Saúde). Sim...mas PORQUÊ?

Aqui ficam as principais vantagens de amamentar exclusivamente os nossos bebés :)
 Porque confere ao bebé uma maior protecção contra a doença.
 Apesar do bebé continuar a receber imunidade enquanto estiver a ser amamentado, esta imunidade é muito maior se o bebé estiver a ser alimentado exclusivamente com leite da mãe. O leite materno contém mais de 50 factores de imunidade, e provavelmente mais que ainda continuam desconhecidos. 

6 meses de amamentação dão tempo ao sistema digestivo do bebé para amadurecer completamente 
Se a introdução de alimentos sólidos começar antes do sistema digestivo do bebé estar totalmente desenvolvido, estes alimentos serão mal digeridos o que pode causar reacções desagradáveis (problemas digestivos, gases, obstipação, etc.).
  
Amamentação exclusiva até aos 6 meses diminui os riscos de reacções alérgicas 
Está bem documentado que o aleitamento exclusivo materno prolongado resulta numa menor incidência de alergias alimentares. Desde o nascimento até algures entre os 4 e 6 meses de idade, os bebés possuem o que é muitas vezes referido como "open gut". Isto significa que os espaços entre as células do intestino delgado irão permitir facilmente a passagem de macromoléculas intactas, incluindo todas as proteínas e agentes patogénicos, directamente para a corrente sanguínea. Isto é óptimo para o bebé amamentado, pois assim permite a passagem directa dos anticorpos presentes no leite materno para a corrente sanguínea do bebé, mas também significa que as grandes proteínas de outros alimentos (que pode predispor o bebé a alergias) e patógenos causadores de doenças podem passar também. O bebé começa a produzir os anticorpos por volta dos 6 meses, altura que o espaço intracelular também já deverá estar "fechado".

 A introdução de alimentos apenas aos 6 meses protege o bebé de eventuais deficiências em ferro 
A introdução de suplementos de ferro e alimentos fortificados com ferro, especialmente durante os primeiros seis meses, reduz a eficiência de absorção de ferro pelo bebê.
  
A amamentação exclusiva até aos 6 meses protege o bebé de futuros problemas de obesidade 
A introdução precoce de sólidos está associada ao aumento da gordura corporal e peso na infância. 

A amamentação exclusiva aumenta o período de amenorreia 
A amamentação é mais eficaz na prevenção da gravidez quando o bebé é amamentado exclusivamente e todas as suas necessidades nutricionais e de sucção estão satisfeitos com o peito. Ter atenção que apesar de se amamentar exclusivamente a amenorreia pode não se manter caso o intervalo entre mamdas seja muito longo (como por exemplo de noite, ou no caso de não se amamentar em livre demanda). 

Atrasar a introdução de alimentos sólidos torna a tarefa mais fácil 
Os bebés que começam mais tarde a comer alimentos sólidos podem alimentar-se a si próprios e não são tão susceptíveis de ter reacções alérgicas aos alimentos.
A amamentação exclusiva ajuda a manter a produção de leite materno
Aconselho vivamente a consulta do documento original, tem todas as referências bibliográficas e links interessantes sobre o tema.

Bookmark and Share

Gritos, choros e birras, o que fazer?

Eu pouco sei sobre estas coisas e preocupa-me o que terei que fazer quando o dia chegar mas, penso que há algumas estratégias que podem ajudar.

A primeira dica: tratar as crianças como pessoas e não como crianças. Isto é, como falaríamos com um adulto se não nos agradasse alguma coisa que ele estivesse a fazer? É dessa forma que devemos tratar as nossas crianças. Agora, talvez tenham aqui o mesmo problema que eu... quando não me agrada algo que um adulto esteja a fazer, viro costas para não ter que lidar com o assunto e com um filho não posso simplesmente virar costas. Talvez seja por isso que acabamos por gritar, arregalar os olhos e fazer caras feias aos miúdos? Talvez seja por não sabermos como ser assertivos que acabamos por não conseguir comunicar com os nossos filhos de forma não violenta e ainda por cima ficamos com remorsos? Se assim for, somos nós que temos um problema a resolver e não os miúdos...

A segunda dica: dizer sempre o que queremos e não o que não queremos. Caricaturando, ao dizer "Filho/a, não vás para a rua!" Sabemos lá se eles ouve só "rua" e pensam, "olha que boa ideia, vou para a rua". O melhor é dizer, "Filho/a fica no passeio" (esta dica preciosa veio daqui).

A terceira dica: Amor incondicional. Não devemos dizer coisas como "feio/a" ou "mau/má" porque fazermos coisas feias não nos torna pessoas feias. Mas também não devemos dizer que um/uma "lindo/a menino/a" quando faz uma coisa boa porque isso é tão condicional como as palavras negativas. Isto é, fazer uma boa acção, que foi comentada por terceiros, não torna uma pessoa boa. Se assim fosse, isso significaria que quando não estão a fazer boas acções que sejam comentadas pelos pais, eles são maus. Pelo menos é assim  percebem as coisas e toca a agir em conformidade. Esta ideia percebe-se melhor quando explicada pelo autor da obra Inconditional parenting e este resumo que a M. me enviou é mesmo muito bom.

A quarta dica: Quando os miúdos estiverem numa daquelas birras dignas de serem filmadas, devemos pensar numa forma de lhe mostrarmos o quanto os amamos sem ter que dizer nada. Eles fazem birras quando estão cansados, doentes aborrecidos etc.. e não porque são maus e tem que der "domados", "condicionados", "limitados" etc... há uma mãe que teve uma ideia gira para se lembrar sempre de mostrar aos filhos o seu amor.

Quinta dica: assumir que os nossos filhos são manipuladores e que necessitam de limites impostos é assumir que as suas "crises" não passam de dramatização. Será que uma criança tão pequena é capaz de elaborar um pensamento de uma complexidade tal que consegue "representar" só para nos irritar? Ou será que a criança está de facto em stress e é a nossa função encontrar e solucionar a verdadeira causa do stress e não a sua manifestação? Se ela faz birra porque está cansada de uma viagem de carro ou porque passou muito tempo sem ver a mãe, não adianta fazer-lhe cara feia mas também não adiantaria dar-lhe o objecto cuja falta parece ter provocado a birra. Acredito mesmo que a repetição da resposta desadequada (seja o grito ou dar o suposto objecto) é a responsável pela criação dos padrões de comportamento dos quais não nos conseguimos livrar em adultos.



Bookmark and Share

Mortalidade materna no Haiti

A mortalidade infantil no Haiti era crítica antes do terramoto e facilmente se prevê que se esteja a agravar neste momento. Estima-se que 200.000 mulheres estejam, neste momento, grávidas no Haiti.

 75% dos partos Haitianos acontecem em casa e mesmo em caso emergência (por exemplo, hemorragia grave), as parturientes não se dirigem ao hospital quer seja por não confiarem nas instituições de saúde, quer seja por falta de recursos para o fazer.

Neste documentário, filmado antes e depois do terramoto, relatam o trabalho desenvolvido no sentido de aproximar as parteiras tradicionais das instituições de saúde existentes no país.

Não querendo menosprezar a importância do apoio médico sempre que ele é necessário, não consegui deixar de me questionar sobre as práticas de partos hospitalares que aparecem neste vídeo como sendo a solução para os problemas da mortalidade materna elevada: mulheres deitadas de costas em macas com muitas pessoas de luvas, máscaras e utensílios vários à sua volta. Mas não estava provado que isto não funciona?


É interessante como falam e mortalidade por falta de recurso a apoio médico apoio sempre que há uma emergência, para, a seguir, baralharem tudo e acabarem por retratar o parto domiciliar e a intervenção das parteiras tradicionais como os responsáveis por essa elevada taxa de mortalidade. 

Para quando um desenvolvimento que respeite os costumes locais, neste caso, que respeitem as formas tradicionais de parir e a fisiologia da mulher e do parto?




Bookmark and Share