Do you speak English? | Parlais vous Français?

Divulgação_CALL FOR PAPERS: "Mothering and Motherh ood in the 21st Century: Research and Activism", Febru ary 17-19, 2011, Lisbon, Portugal.

CALL FOR PAPERS - Submission deadline: November 15, 2010

Mothering and Motherhood in the 21st Century: Research and Activism
February 17-19, 2011, Lisbon, Portugal.

International conference hosted by MIRCI (Motherhood Initiative for Research and Community Involvement) and CRIA - Centro em Rede de Investigação em Antropologia.

We welcome submissions from scholars, students, activists, and workers, artists, mothers and others who work or research in this area. Cross-cultural, historical and comparative work is encouraged. We encourage a variety of types of submissions including academic papers from all disciplines, workshops, creative submissions, performances, storytelling, visual arts and other alternative formats. Building upon the Rich's crucial distinction between mothering and motherhood the conference will explore how scholars and activists challenge normative motherhood and develop new experiences, practices, identities, meanings, activism, ideologies and policies for empowered mothering.

Topics may include but are not restricted to:

  • Normative discourses/ideologies of Motherhood;
  • New Momism;
  • Intensive Mothering;
  • Empowered Mothering: Maternal Empowerment;
  • Maternal Activism;
  • Feminism and Motherhood;
  • Feminist Mothering;
  • 21st Century Motherhood Movement;
  • Mother Outlaws/Outlaw Mothering;
  • Mothering from the Margins;
  • Good/Bad Mothers;
  • Transnational Mothering;
  • Mothering and Migration: Latina/Chicana Mothering;
  • Mother Artists/Writers;
  • Young Mothers;
  • Motherhood-Mothering in Film, Literature, Popular Culture and the Arts; Adoption;
  • Hybrid Mothering;
  • Maternal Resistance;
  • Maternal Thinking: Maternal Practice;
  • Mothering and Work/Mothering as Work;
  • Maternal Sexuality;
  • Public and Social Policy and Motherhood;
  • Maternal Health;
  • Mothers and Daughters;
  • Mothers and Sons;
  • Mothering, Violence, Militarism and War;
  • Mothering and Social Justice;
  • Motherhood Studies;
  • Mothering in the Academe;
  • Pregnancy, Childbirth and Breastfeeding;
  • Othermothering/Community Mothering;
  • Queer Mothers/Mothering;
  • LBGT Mothering;
  • Aboriginal Mothering;
  • Motherhood Memoirs: Mothers and the Internet: Mommy Blogs:
  • African and African American Mothering;
  • South Asian Mothering: Asian Mothering;
  • Mothering Race, Ethnicity, Culture and Class;
  • Maternal Identity: Becoming a Mother;
  • Identity Politics of Motherhood and Mothering;
  • Mothering and Gender Relations;
  • Fathers/Fathering;
  • Maternal Theories;
  • Mothering/Motherhood and Philosophy;
  • Reproductive Technologies;
  • Mothers/Mothering and the Law;
  • Mothers and Poverty;
  • Mothering and Globalization;
  • Maternal Wellbeing;
  • Mothering and Social Movements;
  • Myth and Motherhood/Mothering;
  • Mothering and the Environment/Environmentalism;
  • Family, Maternal Pedagogies;
  • Mothering/Mothers and Education;
  • Mothers/Motherhood and Sociology;
  • Midwifery;
  • Histories of Motherhood and Mothering;
  • Marginalized Motherhoods/Mothering;
  • Mothering/Mothers and Disability;
  • Mothering/Mothers and Music;
  • Teaching Motherhood;
  • Nationalism and Motherhood;
  • Motherlines;
  • Children;
  • Mothers/Motherhood and Anthropology;
  • Mothering/Mothers and Science;
  • Mothers/Motherhood and Psychology;
  • Maternal Memoirs, Biographies, Narratives, and Autobiographies


If you are interested in being considered as a presenter, please send a 250 word abstract and a 50 word bio by November 15, 2010 to: info@motherhoodinitiative.org

One must be a member of Motherhood Initiative for Research and Community Involvement (MIRCI) to submit an abstract for this conference. Memberships begin May 1, 2010.

Motherhood Initiative for Research and Community Involvement (MIRCI)
140 Holland St. West, PO Box 13022
Bradford, ON, L3Z 2Y5 (tel) 905-775-5215

http://www.motherhoodinitiative.org
http://www.cria.org.pt

Escolha informada



Neste blog já escrevi muito sobre escolha informada e consciente, de como é importante ter acesso à informação e tudo e tudo. Mas, há aturas em que nem toda a informação do mundo é suficiente para se saber o que decidir, é nessas alturas que vale a pena mudar de estratégia:
http://maneeshsethi.com/

Simplificar, minimizar...

Como passar de DINKY à situação actual sem esforço? É o que tenho andado aprender no último ano.

Eis algumas fontes de informação que podem vir a ser úteis:


  • http://www.positivityblog.com/
  • http://zenhabits.net/
  • http://www.missminimalist.com/page/2/
  • http://www.theslowlifeblog.com/
  • http://noimpactman.typepad.com/
  • http://fakeplasticfish.com/
  • http://organizedhome.com/cut-clutter/declutter-101-where-do-I-start
Por agora, fico-me pela reflexão sobre a rotina matinal e pela técnica "anti procrastinação" o que já não é nada pouco.


“One of the effects of living with electric information is that we live habitually in a state of information overload. There’s always more than you can cope with.”
Marshall McLuhan

‘It is preoccupation with possession, more than anything else, that prevents men from living freely and nobly.’ ~Bertrand Russell

Outono boreal


A minha estação do ano favorita.

É tempo de preparar o ninho para o inverno, tempo de colher e conservar tomate, maçãs, courgetes, feijão verde e pêssego. É tempo de de brócolos e de abóbora.

É quando volta a saber bem o bom hábito de bebericar chá quentinho e de fazer comida no forno.

É, para mim, tempo de planificar, organizar, tempo de recomeço.

E, porque faço questão que todas as estações do ano sejam mais do que a simples mudança de temperatura e das decorações das montras das lojas, todas as estações do ano são tempo de celebração.

Viva o Outono!

O coro da Achada



Festejamos o 25 de Abril com o Coro da Casa da Achada e lá estamos nós, na foto cibernética para o comprovar!

Na Casa da Achada não faltam actividades e espaço para as crianças.

Descoberta da Foto aqui


"A cidade não é uma causa, é uma consequência!"

O poder do agora

A tribo

So... What is the one thing most of us are sorely missing?

In a word: tribe.

While I am always the first and last person to say that the
problems we face are best solved from the inside out, I keep
bumping into an undeniable fact: Our biggest problems are
made bigger (if not caused) by the social structures and norms
that arise from our culture of alienation.

We are "social animals" living in artificial environments that
are antisocial by design. From housing to commerce to family
structures to legal systems, too much of modern life reflects the
values of separation, competition, suspicion, and "every man for
himself" instead of connection, creativity, trust, and partnership.

We've come to accept this as normal. It's "just the way things are."
And most of us are able to adapt well enough and make the best
of it... That is, until we have children!

Children come into the world biologically pre-programmed with
a lot of needs that were easily met in the social environment to
which our species adapted -- the tribe. But children's needs (and
thus parents' needs, too) are extremely difficult to meet in a
society where isolated nuclear families are expected to substitute
for the village it takes to raise a child.

Nice try... but one or two parents do not a village make.

Now imagine a community where you not only know your
neighbors, but you know them intimately and you feel safe
being completely authentic with them. Where you never feel
the drain of being "social" because the social you and the real
you are one and the same. Where everyone feels relaxed about
giving and receiving support -- including parenting support --
which flows and balances organically without keeping score.
Where the desperate need for "time to myself" disappears as
evolved social structures eliminate the need for self-sacrifice.

(...)

Feel free to forward this message to your friends!
(Please include this paragraph and everything above.)
Copyright (c) 2010 by Scott Noelle
_____________________________________________________

"Inspiration & Coaching for Progressive Parents"
http://www.ScottNoelle.com
http://www.EnjoyParenting.com

PO Box 19901
Portland, OR 97280
USA

To unsubscribe or change subscriber options visit:
http://www.aweber.com/z/r/?LIxMLOyctCxszAwsDOystEa07ByMDIysDA==

A grande Mentira

Do you have "control issues"?

The good news is that being a "controller" is a
symptom of being intelligent, creative, and
passionate... AND duped into believing the Big Lie
of our culture: *conditionality*

The Big Lie is that you can't be happy or feel worthy
except under certain conditions. If you've bought
into it, then naturally you will use your personal
strengths to try and control those conditions.

For example, if you believe your children have to
behave a certain way in order for you to feel good
(about them or about yourself), then of course you
will try to control their behavior.

Once you realize the purpose of the Big Lie -- to
control *you* -- you'll stop believing it.

Practicing the Art of Unconditionality* dissolves the
Big Lie (and the "need" to control conditions) by
affirming the Ultimate Truth: that you have the
power to focus your mind in ways that feel good...
under *any* conditions.

Try it!

http://dailygroove.net/big-lie

* See also: What Is 'Unconditionality'? at
www.scottnoelle.com/parenting/unconditional.htm


Feel free to forward this message to your friends!
(Please include this paragraph and everything above.)
Copyright (c) 2010 by Scott Noelle
_____________________________________________________

"Inspiration & Coaching for Progressive Parents"
http://www.ScottNoelle.com
http://www.EnjoyParenting.com

PO Box 19901
Portland, OR 97280
USA

To unsubscribe or change subscriber options visit:
http://www.aweber.com/z/r/?LIxMLOyctCxszAwsDOystEa07BxM7GyMTA==

o Ácido e o Básico



Não devemos apenas saber, devemos também utilizar.
Não devemos apenas querer, devemos também fazer.

Os pensamentos... a mente...





Sem passado...

Porque não mudas?



via Permacultura Portugal

Permacultura




“O curso de permacultura mudou a maneira como eu vejo o mundo e me vejo a mim”. A frase está na página principal do Instituto de Permacultura de Santa Fé (EUA) e muitas mais deste género podem ser encontradas por essa Internet fora. Mas o que faz as pessoas mudarem o estilo de vida para passarem a viver em permacultura? E antes disso: afinal, o que é a permacultura?
Para começar, definições práticas. “Permacultura é um sistema de design ecológico para a sustentabilidade que envolve todos os aspectos da actividade humana. Ela ensina a construir casas naturais, cultivar a nossa comida, restaurar ecossistemas e paisagens, apanhar água da chuva, criar comunidades e muito mais”, explica o mesmo instituto norte-americano. Em traços gerais, imitar a natureza e fazer com que cada variante deste sistema produza mais do que consuma. “É um método prático de desenvolvimento ecologicamente harmonioso, eficiente e de sistemas produtivos que podem ser usados por qualquer pessoa, em qualquer lugar”, escreveu a revista dedicada ao tema, Permaculture Magazine.

Quem vive em permacultura denomina-se permacultor... Outra definição, para ajudar: “Eu sou permacultor, ou seja, uma pessoa que está inserida numa cultura permanente. Tenho uma terra onde planto imensas árvores e tenho um contacto com a terra o mais sustentável possível”, disse ao Planetazul, em Novembro do ano passado, o músico dos Blasted Mechanism e professor de permacultura Valdjiu. Já na altura, Valdjiu confirmava a afirmação retirada do instituto de permacultura com que iniciamos o texto. “Nunca mais és o mesmo, nunca mais. É uma ferramenta para a liberdade”, exclamou, referindo-se a um curso de iniciação à permacultura que ministrou em Portugal.

Mudar de vida significa não só começar a comer o que a terra lhe dá (e com práticas agrícolas correctas), aplicar os princípios da construção sustentável ou usar energias renováveis. Mas implica também assumir valores não palpáveis como a educação ambiental e responsabilidade social.

O início

Tudo começou nos anos 70. Bill Mollison, ex-professor universitário australiano, decidiu fugir à desenfreada sociedade de consumo (o que faria ele agora...?) e percebeu que a fauna e a flora estavam também a desaparecer à velocidade que a sociedade se modificava. Em parceria com David Holmgre criou uma solução para que se deixasse de consumir os recursos desenfreadamente.

O conceito foi evoluindo e, como nem só de agricultura vive o homem, Mollison estendeu o conceito a outras partes indispensáveis para nos mantermos por aqui: arquitectura, engenharia, em geral, inovação.

O alargamento da abrangência reflectiu-se também no termo adoptado para a designar. Do inicial “agricultura permanente” (permanent agriculture) passou para cultura permanente (permanent culture).
Onde se faz?

Pelas razões óbvias, é mais fácil viver em permacultura na aldeia (campo) do que na cidade. Também é mais fácil aplicá-la num grupo do que individualmente. Uma das eco-vilas mais conhecidas, que se rege pelos princípios da sustentabilidade social e ambiental, é a Crystal Waters, criada por Max Lindegger nos anos 80. Esta eco-vila, com cerca de 200 habitantes, já foi inclusivamente distinguida pelas Nações Unidas com uma inserção no Top 40 das Melhores Práticas em Ambiente.

Processo contínuo, experiência de vida. Viver em harmonia com tudo que o rodeia. Estes serão os lugares comuns que se pode enumerar quando se fala de permacultura. Agora, espalha-se pelas redondezas das grandes cidades, esconde-se nas varandas dos apartamentos. Em Portugal, há organizações, cursos e comunidades (veja o artigo a publicar sexta-feira, dia 10). Já chega até aos telejornais. Resta saber até onde vai crescer.

http://www.planetazul.pt/edicoes1/planetazul/desenvArtigo.aspx?c=2276&a=18798&r=37

E eu que levo o bebé todos os dias para o jardim....







via Zona Livre de ONG


via Círculo Materno de Lisboa - Maternar

O que podemos fazer?

Obrigada Paulo por esta reflexão!

Há cada vez mais pessoas a Pensar!!!


É algo que sinto (falo com muitas pessoas) ... e é na minha opinião, o que é necessário para mudar os paradigmas da vida "moderna".


Ei-los:
- levantar - comer - ir trabalhar - comer - trabalhar - regressar a casa - fazer os "TPC's" - ver o telejornal - sofrer - "desligar" - ver telenovelas - filmes - facebook - deitar as crianças - levantar - queixar - meter gasolina - supermercado - pagar contas - queixar-se, queixar-se, queixar-se - tomar os antidepressivos - beber uns "canecos" - encher a barriga, em pequenas "festas de encher a barriga e de encontros de "queixamento" - "isto está mau" - o governo - o serviço nacional de saúde - "a comida, no hiper está cada vez mais cara. sabe cada vez pior" - dormir - férias a correr (7 diazinhos passam num instante) - jornal ao domingo - serviço religioso (ritual automático) - passeio no centro comercial - dormir - comer - ginásio (dentro de um edifício fechado) - jornais grátis - revistas de informática - "a bola" e outros - procurar "emprego" - queixar - "isto está mau" - "ninguém faz nada" - dormir - levantar - limpar a casa - internet - email - sms's - ver montras - ir aos saldos - fazer o comer - pensar no que se vaio fazer para comer - comprar os livros das crianças - ir aos "chineses", ver se há mais barato - ver os saldo no MB - ver a telenovela - fazer o IRS - ver as vagas no ensino superior - estudar para ir para um bom curso - estudar - comer - sms - etc, etc, etc...

Já chega de massacre. É assim a vida de muitos nós. A vida "moderna".
"Não" há tempo:
- para filhos, para pais, para tios, para avós, para irmãos, para amigos, para ninguém...
- para diversão saudável,
- para PENSAR

Pensar faz medo e é um beco sem saída, vai dar tudo ao mesmo. "Isto está mau".

Eu penso de forma a PENSAR que isto tem muita luz a entrar ao fundo do túnel, tão forte que até "cega", a questão é que muitos temos obstáculos na frente dessa luz e só vemos a sua sombra, porque estamos de costas para o lado de onde a "luz vem".

R_Evolução é o que é necessário.
Chamemos-lhe o nome que quisermos.
"isto está Mau", porque não "pensamos", porque não há "tempo" para pensar, porque temos medo de pensar.

Pensemos juntos:
- Somos todos um
- Estamos todos ligados (simphonia do universo)


Que podemos fazer para ajudar a mudar esta ideia?


Beatas no caminho, apanho-as todas...

Obrigada





Dia de celebração - "A pureza limpa e transforma toda a atmosfera à sua volta"


Começou o dia, como todos os outros, transbordante de vivacidade. Desde o segundo em que abre os olhos até ao momento de adormecer, todo ele é alegria expressa na energia com que dá cada pequeno passo, nas gargalhadas sonoras, nos olhos sorridentes e luminosos.

Há exactamente um ano, pensei que este ser luminoso me iria ensinar a ser uma pessoa melhor. Neste momento, emociono-me ao pensar que o meu filho me ensinou a ser e apreciar o que sou, me ajudou a ser e apreciar o que somos, os três, a cada dia que passa.

Para o ano que agora se inicia, saiba eu cultivar as virtudes do contentamento e apreciação que o este anjo me ajudou a reavivar.
a
as verdades são tantas e tão macabras que me sinto a afundar. foi a primeira vez que as vi todas juntas. Estou triste porque eu e a minha família fazemos parte desta massa de escravizados. Estou triste porque na maioria dos dias da minha vida me esqueço destas verdades e anseio por uma vivência 100% serva. Ainda bem que existem estas redes e estes vídeos. Ainda bem que há quem nos lembra da verdade!









http://www.delaservitudemoderne.org/video-po.html

Sexualidade Feminina Mitos e Verdades | 18 de Setembro | Lisboa

O espaço Ser Inteiro recomenda os seus associados, parceiros e amigos a assistirem à conferência Sexualidade Feminina Mitos e Verdades. Acreditamos que todas as mulheres têm direito a uma vida sexual plena, livre de medos, tabús e frustrações, por isso, nada melhor do que tirar todas as dúvidas com quem sabe. Visitem o blog da palestra aqui e dêem-nos o vosso testemunho sobre o que é para vocês uma vida sexual plena.
Para mais informações e compra de bilhetes, contacte-nos.
Até breve!






A nossa sexualidade influencia a forma como sentimos todas as coisas. O amor, a compaixão, a alegria, a felicidade e o prazer. A experiência sexual pode ser uma fonte positiva de enriquecimento e satisfação pessoal, quando assente em escolhas informadas e decisões conscientes. Mas também pode ser uma fonte de frustração, quando vivida pela metade...


Actualmente, dentro dos consultórios, poucos são os médicos que questionam a satisfação sexual das suas pacientes e poucas são as mulheres que têm a coragem de colocar dúvidas aos seus médicos. No entanto, na realidade, muitas queixam-se da diminuição ou até mesmo da falta de desejo sexual, da dificuldade em atingir o orgasmo, de dores durante as relações e permanecem com muitas dúvidas acerca do próprio corpo.
Por todos estes motivos, a Conferência Sexualidade Feminina – Mitos e Verdades destina-se ao público em geral e não apenas aos profissionais de saúde. Com esta conferência queremos esclarecer todas as dúvidas e fornecer meios para que as mulheres possam conhecer melhor o seu corpo, e consequentemente, atingir a plenitude sexual. A conferência Sexualidade Feminina - Mitos e Verdades contará com a presença de grandes especialistas em diversas áreas, tais como: Radmila Jovanovic (ginecologista), João Anacleto (cirurgião plástico), Laira Ramos (fisioterapeuta), Erika Morbeck (sexóloga), Marília Pereira (enfermeira Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia), Paula Ferreira (medicina tradicional chinesa), Paula Salgado (coach e terapeuta corporal) e Swami Mahalayananda Saraswati (yoga tântrico).


Venha desmistificar todos os tabús e aprender a viver a sua sexualidade em pleno!


Dia 18 de Setembro de 2010, das 13h45 às 19h30, na Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa.

Bilhetes à venda na Ticketline (€30,00).


Organização: Ser Inteiro / O Períneo
Apoio: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
Centro Pré e Pós Parto
Patrocínio: Nutrilite
Media Partner: Máxima

Espaço Ser Inteiro - Av. António Augusto Aguiar nº 124, 5º Dtº,Lisboa

Consultas: ser.inteiro.consultas@gmail.com, 213 874 613

Assessoria de comunicação: 911 816 944 / 919 198 141, inescorreia.directa@gmail.com

Uma história aos quadradinhos (de tecido)


"A manta era enorme, feita de centenas de pequenos retalhos.

Cada retalho, uma história."


Estou curiosa para ver os primeiros retalhos da "Manta de aniversário" do Sebastião.

Pode-se comprar este e outros livros na Loja On-line da Planeta Tangerina

Ser criança em Portugal

De acordo com a OCDE, 7,5% das crianças portugeusas nascidas entre 2003 e 2005 tinham menos de 2,5 kg, valor ligeiramente acima da média da OCDE. Países nórdicos é onde as taxas de bebés de baixo peso são mais reduzidas. Pergunto-me porque será? No relatório não explicam.

91% das mães portuguesas amamentaram os seus filhos durante algum tempo (dias, horas, meses, anos?). A média da OCDE é de 86%. Os dados portugueses são de 2003 e os dos outros países são de outros anos. Não sei como foram recohidos os dados, será que perguntaram às mães?

34% das crianças portuguesas, dos 0 aos 5 anos, vivem em casas e áreas com mais condições. A média da OCDE é de 26% e isto inclui variáveis como:
  • barulho de vizinhos ou da rua;
  • poluição ou problemas ambientais causados por carros e/ou indústria;
  • vandalismo;
  • lixo, sujidade nas ruas;
  • maus cheiros (gás, fumos)
Fonte: http://www.oecd.org/dataoecd/19/4/43570328.pdf

Afinal o que diz a OCDE sobre a primeira infância? Espantem-se!


Levada pela curiosidade, acabei por dedicar parte da minha noite à leitura dos estudos e estatísticas da OECD Family database.

O primeiro relatório que chamou a minha atenção foi o Doing Better for Children, nomeademente o capítulo 7, que é o as conclusões (é assim que faz quem pesquisa cheia de sono e entre mamadas) e o das recomendações aos Governos.

Transcrevo, em tradução livre, resumo e comento as questões que mais me chamaram a atenção. Deixamos as referências bibliográficas para outras núpcias (desta feita por preguiça e não por qualquer outra causa).

Começamos logo por ler que, "o bem estar das crianças está nas agendas políticas". A sério, quem diria? Será que se referem a todos os países da OCDE?

É feita uma análise da relação entre as medidas de política e o bem estar das crianças e é interessante verificar que para o binómio "educação/primeira infância (considerando-se aqui dos 0 aos 5), a correlação é negativa, a qualidade da vida em equipamento educacional tem uma correlação muito baixa sendo que o que é realmente determinante é a saúde e segurança, mais importante do que o rendimento disponível, na família.

Gostava muito de ver esta análise feita para as crianças dos 0 aos 3 anos e logo veríamos se a correlação relativa à qualidade da vida em equipamento passava de baixa a negativa.


A variável saúde e segurança vai perdendo preponderância à medida que a criança cresce, até que se dilui por completo na adolescência e juventude. Ao longo do percurso, ganham peso as variáveis "qualidade da vida em equipamento escolar" e, mais tarde, "bem estar material".

Pergunto-me que qualidade de vida em equipamento escolar terão as crianças que estão obrigadas a deslocações demoradas até à escola primária devido ao encerramento de centenas de estabelecimentos de ensino em todo o país?

De acordo com as recomendações da OCDE, os Governos deveriam concentrar as despesas no periodo que vai desde a concepção à entrada da escola primária por forma a garantir mais eficiência e equidade. Este investimento desde a concepção à idade escolar, tem efeitos nas despesas com crianças e jovens em risco dado que, pela prevenção, leva a uma diminuição destas situações. Desta forma, haveria mais recursos disponíveis para aplicar nas situações em que, apesar do investimento precoce generalizado, as situações de risco de verificam.

Os Governos devem, de acordo com a OCDE, garantir que investimentos em situações de risco na infância e juventude são complementares do investimento realizado na primeira-infância. Sabe quem trabalha em intervenção social em Portugal que as situações são sinalizadas quando existe risco e/ou perigo sem que tenha existido qualquer intervenção de carácter preventivo na primeira infância.

As intervenções na primeira infância devem ser em dinheiro e em serviços.

A OCDE recomenda que se faça:
  • melhorar a qualidade de vida in-utero é fundamental, nomeadamente, através da redução de consumo de tabaco e melhoria da dieta das grávidas;
  • o número de consultas pré-natal pode ser reduzido para a generalidade das grávidas e intensificado para as que apresentem algum tipo de "risco" físico, emocional e social. Por exemplo, é de suma importância trabalhar com as grávidas e casais no sentido de fornecer as informações necessárias para o desenvolvimento das competências parentais necessárias ao bem-estar na primeira infância (parace tão óbvio, não é?)
  • Fazer as alterações políticas necessárias para que o apoio à amamentação seja efectivo. Fornecer às mães e à sociedade em geral informações sobre os benefícios da mesma. (por cá, as instituições de apoio dão às mães carenciadas latas de leite em pó em vez de apoiarem a amamentação. Quando se sabe que a amamentação é um meio para a criação de um vínculo forte entre mãe e filho, diminui a possibilidade de abandono e maus tratos, melhora a saúde do bebé e da lactante, é gratuita... enfim....)
  • Garantir que existem as condições para que a a amamentação possa ser feita, em exclusivo, até aos 6 meses como recomenda a OMS: ajustes à licença parental, alterações na forma como as maternidades e hospitais lidam com a mesma, criar condições nos locais de trabalho;
  • Programas para melhorar os serviços pós-natal, intensificando-o para as situações que apresentam maior risco (ou, em Portugal, criar este apoio porque não existe).
Dado como um bom exemplo de política nacional é o "sistema de cascata" utilizado na Austrália - Every Chance for Every Child - que consistem num sistema de visitas domiciliares pós parto que permite determinar quais as famílias que necessitam de um apoio próximo.
  • desmedicalização do parto e aumento da utilização de enfermeiras e parteiras em vez de obstetras e pediatras o que leva à diminuição dos custos sem diminuir a qualidade dos cuidados pré-natais.
A OCDE pede que se evite:
  • gastos desnecessários com políticas de nascimento universais e que incitam a partos altamente medicalizados;
  • estadias prolongadas na maternidade que não acrescentam nada ao bem-estar da criança;
  • consultas pré-natal demasiado focadas no risco médico e sem qualquer orientação para o risco social;
  • demasiados contactos pré-natal para grávidas de baixo risco, médico social;
  • alocação de recursos a programas dirigidos aos jovens que já passaram a idade da escolaridade obrigatória dado que este investimento vai, quase totalmente, para famílias com mais recursos (pois claro, são os que conseguem lá chegar!).

Uma grande parte do relatório é dedicada às políticas relativa as famílias pobres que, sendo as que mais nos preocupam, não deverão ser as únicas visadas na promoção do bem-estar infantil


Apenas 3 países da OCDE construíram uma estratégia nacional para a infância (Irlanda - National Children’s Strategy. Our Children – Their Lives (Ireland, 2000); Nova Zelância - Agenda for Children (New Zealand Ministry of Social Development, 2002); Reino Unido - Children’s Plan. Building Brighter Futures (Department for Children, Schools and Families, 2007), sendo as suas orçamentações reduzidas e sua eficácia na contribuição para o bem estar das crianças, desconhecida. Ainda assim, "está na agenda" (lol).

Claro que ter uma estratégia nacional não é a única forma de actuação. Muitos países optam por criar metas e indicadores relativos a determinada área, neste caso o bem estar na infância, e a sua medição dar-nos-ia os avanços e recuos face à meta. Claro que, para tal, as metas e indicadores teriam que ser bem definidos, os dados bem recolhidos e as avaliações feitas com rigor e clareza, o que, pelos vistos, não acontece.

Outras formas de actuação passam pela legislação (transversal ou sectorial) e o aumento dos rendimentos das famílias. Curiosamente, estudos longitudinais mostram que o rendimento não é preponderante para o bem estar das crianças dado que factores como a idade dos pais e o seu nível de escolaridade interferem nesta relação que se pensava ser de causa-efeito. Claro que rendimento (ou a falta dele) é dado como determinante para o bem estar das crianças quando se trata de famílias pobres a par de todas as outras questões que emergem quando se trata de contextos de pobreza.

Sobre viver e ter filhos em Lisboa e do orgulho nacional nos equipamentos pré-escolares

Temos que criar as melhores condições para que as pessoas se fixem na cidade e para quererem viver e educar aqui os seus filhos” Quem o diz é o próprio António Costa, pena que para atingir tal objectivo tenham como estratégia única construir Jardins de Infância. E todas as outras dimensões da vida das famílias na cidade, Sr. Presidente? É que, para estar fechado todo o dia num jardim de infância, tanto faz viver em Lisboa como noutra cidade qualquer!

"Por sua vez, José Sócrates congratulou-se com o facto de Portugal se encontrar acima da média dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) no que respeita à quantidade e qualidade da educação pré-escolar." Ex. Sr. Primeiro Ministro, Será que temos mais equipamentos de educação pré-escolar porque as famílias portuguesas mal sobrevivem com dois salários a tempo inteiro e por isso mesmo é que necessitam de colocar as suas crianças, 7 horas por dia, 7 dias por semana, ao cuidado de terceiros? Nos países da OCDE, colocar os filhos, todo o dia, numa creche, não é a única solução possível. As soluções de cuidados formais à primeira infância, em equipamento de educação pré-escolar, a tempo parcial, ou, em casa da criança por educador especializado, ou em casa do educador, ou por familiar remunerado, entre outras, não são desconhecidas na maioria dos países da OCDE, muito menos, as licenças parentais alargadas que permitem que as crianças fiquem em em casa, com a mãe ou pai, até aos 3 anos. Claro que, para que estas sejam verdadeiras opções, os salários devem ser adequados e a sociedade deverá estar preparada para integrar as crianças no seu quotidiano.

Não tenho nada contra os equipamentos pré-escolares, o meu problema é com as soluções de sentido único.

Já agora, duas interrogações: se temos mais e melhores equipamentos do que a média da OCDE, o que fazem os outros aos filhos enquanto vão trabalhar todo o dia? e, se os equipamentos pré-escolares fossem a única solução viável para o saudável desenvolvimento do ser humano, não seria de esperar que, pelo menos os nórdicos, tivessem um dos tais equipamentos em cada esquina? Estes nórdicos pá...., que mania de ser diferente, andam de bicicleta, só querem agricultura bio, não querem TGV nem Euro e agora também não constroem creches para os putos?! Não se percebe como é que são tão felizes!

Porque os dados, per si, não dizem nada e o que importa é a leitura que se faz dos mesmos, aqui fica: http://www.oecd.org/statisticsdata/0,3381,en_2649_34819_1_119656_1_1_1,00.html

Bom demais

Se fechar os olhos consigo-me imaginar num riade fresco e luxuoso, com a fonte, do pátio central, enfeitada de rosas, as massagens de óleo de argan, os lençóis perfumados de rosas.

Quero um destes todos os dias.


Once you have found a place...

Daily Meditation: , September 5, 2010.

"So many humans are like fish out of water! They feel ill at ease,
strangers to the environment they live in; so, as soon as they
can, they leave their family, take themselves off abroad or live
completely on the fringes of society. Actually, the question
humans have to answer does not just concern which place they
should be occupying physically or socially; it is not just their
heart and mind but also their soul and spirit that have to find
good conditions for growth in this place. So long as they do not
find their place, they are like seeds waiting to be sown. And
their place is a fertile earth, the spiritual earth, where they
will be able to grow. So many people are still like seeds stored
in a granary!
Once you have found a place for your heart, your mind, your soul
and your spirit, you will be in your true place. Then, wherever
you are, whatever your material and social situation, it will
feel like the right place."

Omraam Mikhaël Aïvanhov


If you wish to visit Prosveta's site, or consult the many titles by Omraam Mikhael Aivanhov go to www.prosveta.com.

Pequeno almoço completo

http://ouryellowhouse.typepad.com/our_yellow_house/recipe/page/2/
O pequeno almoço é a refeição mais importante do dia. Sempre ouvi dizer isto e sempre tomei pequenos almoços paupérrimos. Recentemente dei a volta a esta situação de uma forma simples e nutritiva.
 
Numa caixa grande misturo, previamente, os seguintes ingredientes:
  • Muesli  (sem mel e sem trigo)
  • Flocos de milho
  • Granola mistura de cereais, castanhas e frutas secas como passas e damascos caramelizadas com mel, sendo a aveia o cereal mais frequente desta composição

Todas as manhãs, é só servir a mistura com uma das seguintes bases:
  • Leite de aveia
  • Leite de arroz
  • leite de Amêndoa
  • Leite de soja
  • Iogurte de Soja
  • Iogurte de Cabra
  • Iogurde de ovelha
O ideal seria adicionar fruta fresca cortada em pedaços mas ainda não consegui organizar-me de forma a fazer isso.

É importante que todos os ingredientes sejam de agricultura biológica e não contenham açucares adicionados.

A Russia a cores há 100 anos


Mais infos em:
http://www.boston.com/bigpicture/2010/08/russia_in_color_a_century_ago.html

Este momento #1

{this moment} - Um ritual de sexta feira. Uma foto captura o momento da semana. Um momento simples, especial, extraordinário. Um momento para parar, relaxar, relembrar. 
Desejamos-te um fim-de-semana maravilhoso!


 Inspirado por http://www.soulemama.com/

Inspiração Setembro 2010 | Lua das Colheitas

http://gardenmama.typepad.com/my_weblog/
http://sewliberated.typepad.com/sew_liberated/in_the_kitchen/
http://waldorfmama.typepad.com/
http://waldorfmama.typepad.com/
http://waldorfmama.typepad.com/

http://gardenmama.typepad.com/my_weblog/

http://gardenmama.typepad.com/my_weblog/2010/08/-corn-husk-dolls-tutorial-.html

http://waldorfmama.typepad.com/



http://gardenmama.typepad.com/my_weblog/

http://waldorfmama.typepad.com/

http://homeschoolblogger.com/blsdmama/

Dedicado aos 4% de mulheres que não produzem leite suficiente para amamentar os seus filhos

Desculpem ser em inglês:
http://www.babble.com/baby/baby-feeding-nutrition/breastfeeding-problems-low-breast-milk-supply-lactation-consultant/

Não será a criação de sinergias e potencialização de recursos uma forma de sustentabilidade?

Numa olhadela breve aos próximos eventos na área do ambiente/sustentabilidade/ecologia, não pude deixar de expressar uma certa perplexidade: Não será a criação de sinergias e potencialização de recursos uma forma de sustentabilidade? Se sim, porque é que todos os eventos se realizam nos mesmos dias? Para quê complicar a vida tanto a visitantes como a expositores?

Ora vejamos:

  • Feira Alternativa 2010 Alternativa 2010, é realizada nos dias 17,18 e 19 de Setembro de 2010 no Jardim Tropical (traseiras dos pasteis de belém) - http://terraalternativa.com/2010

  • V Encontro de Alternativas em Sintra - Mostra de Projectos Alternativos, terá lugar no Largo D.Fernando II, em São Pedro de Sintra, nos dias 17, 18 e 19 de Setembro de 2010 - http://encontroalternativas.blogspot.com/

  • Greenfest, 10 a 17 de Setembro de 2010, Centro de Congressos do Estoril - http://www.greenfestival.pt/2010/index.aspx

E agora, qual deles escolhem?

Pelo menos o a Terra Sã é em Outubro - http://naturlink.sapo.pt/article.aspx?menuid=29&cid=22711&bl=1






INTERVIR EM FAVOR DE UMA CRIANÇA EM LUGAR PÚBLICO - 1a parte: CABE A NÓS INTERFERIR?

por Jan Hunt, Psicóloga diretora do "The Natural Child Project"

Acontece em qualquer lugar. Um pai ou uma mãe cansados depois de um dia difícil, perdem a paciência - e a criança é quem sofre. Gostaríamos de ajudar, mas hesitamos. O que temos a ver com isso? E se ao interferir envergonharmos ou irritarmos ainda mais o pai ou a mãe, piorando assim a situação da criança? Não vamos cometer o erro de nos dirigirmos rudemente à mãe pedindo que ela seja delicada com o filho? Não é mais diplomático passar directo sem se manifestar? Afinal, também não somos pais perfeitos.

Em nossa sociedade parte-se do pressuposto de que interferir em favor de uma criança em local público é uma atitude acusadora e ofensiva. Mas não precisa ser. Há uma grande diferença entre uma intromissão ofensiva ("Como ousa tratar seu filho assim?") e uma intervenção solícita ("Fica muito difícil cuidar deles quando se está tão preocupado") . O fato de se oferecer ajuda à mãe, ou assistência à criança, não precisa ter em si um carácter ofensivo.

Eu mesma já consegui intervir com sucesso oferecendo-me para encontrar as compras de uma mãe, ajudando uma criança a recolher seus brinquedos do chão e auxiliando uma mãe a vestir um garotinho cansado. Todas as mães ficaram sinceramente agradecidas e imediatamente começaram a tratar os filhos com mais compaixão. Levo sempre comigo algumas figurinhas coloridas, que distraem num passe de mágica uma criança cansada, entediada ou agitada, cujos pais estejam exaustos demais para tratá-la com paciência. Quando a criança se alegra com o presente inesperado (não só a figurinha mas a atitude delicada e o contato olho-no-olho) os pais geralmente se acalmam e até se sentem um pouco revigorados com a experiência. Podemos interferir de um modo positivo e passar a mensagem de que nos importamos tanto com a criança quanto com o pai ou a mãe.

Muita gente também parte do pressuposto de que temos duas alternativas: passar uma mensagem ao pai ou à mãe (e à criança) ou não passar mensagem alguma. Mas não existe essa alternativa de "não passar mensagem alguma". Nossa mensagem é tão clara ao passarmos ao largo de uma criança transtornada quanto ao pararmos para ajudar. Passando directo, a mensagem para a criança é que ninguém se importa com seu sofrimento e para os pais, que aprovamos sua conduta.

(...) É uma pena que o tabu da intervenção em lugar público impeça os pais de ajudarem uns aos outros em situações difíceis.

Os bebés podem ter muitos motivos para chorar; não podemos inferir que os pais sejam culpados a partir apenas de evidências circunstanciais. Mas eu e meus colegas já presenciamos algumas atitudes francamente agressivas: tapas, pancadas, empurrões, puxões de braço, prender contra a parede, xingamentos e outros abusos verbais, comparações maldosas com irmãos mais velhos e daí por diante. As crianças aceitam ser tratadas assim porque são desamparadas e inexperientes, não podem defender a si mesmas. E nós, que somos mais experientes e capazes, devemos passar ao largo de uma situação nitidamente abusiva? A partir de que ponto deveríamos interferir? Vamos esperar até que a criança sofra uma agressão física mais séria? Na verdade a agressão tem muitas faces. O fato de o abuso emocional não deixar cicatrizes não nos isenta de prestar auxílio a essas crianças. Qualquer um que testemunhe um ato nocivo tem a obrigação de interferir (novamente aqui, a intervenção pode ser prestativa e bondosa).

Existe mais um motivo para a intervenção, geralmente esquecido nesse tipo de argumentação, mas que para mim é o mais importante: é o efeito duradouro que ela pode ter sobre a criança. Em sessões de psicoterapia alguns adultos recordam com gratidão a única ocasião em que um estranho interferiu em seu favor, e o quanto isso significou para eles: alguém se importou com a criança, reconhecendo sua raiva e frustração. Assim como outros psicoterapeutas, eu já escutei adultos dizerem que uma única intervenção como essa mudou suas vidas, dando-lhes esperança. Será que podemos nos furtar a operar uma mudança tão profunda na vida de uma criança?

Mesmo na situação infeliz - ainda que rara - em que o pai ou a mãe se ofendem, a intervenção ainda funciona como um lembrete para que esse pai ou essa mãe prestem mais atenção ao modo como estão tratando seu filho.

Histórias de pacientes psiquiátricos mostram claramente que os psicopatas adultos foram crianças maltratadas no passado. Não existe máquina do tempo para ajudarmos as crianças do passado. Mas podemos ajudar as crianças de hoje a se tornarem adultos responsáveis e seguros que tratarão seus filhos com dignidade, amor e compaixão.