Do you speak English? | Parlais vous Français?


Why do bankers who get huge bonuses sometimes behave badly?

Because they can't help it, says the neuroscientist Paul Zak. Or at least they can help it, but the chemicals released in their brains make it more difficult for them than other people. Zak has studied the effects of oxytocin and what he calls "the biology of trustworthiness". Increased oxytocin in the body increases empathy. "And it's empathy which makes us moral."
Giving money away, hugging, praying can all increase oxytocin. But testosterone inhibits it. And higher levels of social status are associated with higher levels of testosterone. Hence the problem of the bankers' bonuses. What's more, some people are simply wired differently. "Five per cent of the population don't release oxytocin on stimulus. We have a technical term for them in our lab," says Zak. "We call them 'bastards'."
http://www.unplggd.com/unplggd/customizing/this-ikea-pax-wardrobe-hides-an-unbashedly-feminine-workspace-159444
The primary goal is joyful living.
All other goals are secondary.
All decent parents, of course, want their children to be happy. But they assume that sometimes happiness needs to be sacrificed to get something better.
But for unschooling, peaceful parents meeting any goal must also meet the goal of living life more joyfully.
If meeting a goal means sacrificing joy, then find a better way to meet the goal.
It's simple to write, but not so simple to put it into practice! Our heads are full of "have tos." We're full of fears of what will happen if we don't do what we "have to." Getting rid of those "have tos" and fears is hard to do!
  • The first step is finding something that's better than what you have.
  • The second step is wanting to change.
  • The third step is figuring out how to change.
So, as you read along, you may wonder why I suggest that parents basically make life more difficult for themselves. The reason is because I believe it leads to a much better place. And that better place is a more joyful life for our children and our families."

Joyce Fetteroll

http://joyfullyrejoycing.com/
"The unschooling philosophy is that people will learn what they need to
learn by living life freely and joyfully in an environment that supports who
they are and is rich enough for them to both explore their interests and stumble
across new interests." ~~Joyce  Fetteroll 

"Learning can only happen when a child is interested. If he’s not interested, it’s like throwing marshmallows at his head and calling it eating." ~~Katrina Gutleben

"Give your children free reign to rule their lives as they see fit. No rules. No control. No formal les- sons. No chores. No bedtimes. Support your children’s interests, whatever they are. Treat your children as equals. There are no mistakes, there are only experiences. All limits are self-imposed. Listen to your children. Trust your children. Respect your children. These concepts are the very heart of unschooling and they violate everything ingrained in us by the world at large." 

" If you are to undertake this unschooling journey it is imperative that you understand not only the destination (death)  but the stops along the way (The stops are actually more important than the final destination, i.e. the journey is the destination

If our unschooling objective is to raise children who are truly free, who grow to adulthood with their spirits and sense of wonder and sense of selves intact then we must bring them to a place where that can happen, off the gulag, outside of Plato’s cave. This is the place that is safe for your children to become who they are, unbound, unshackled from the world of invented narratives that conspire to limit us" -- Jon Gold

"As a group we humans tend to define ourselves by our beliefs, in fact we oftenb e c o meour beliefs: 
I believe that my country is better than yours30, I believe that my religion31is the one true religion32,
I believe that my theory of economics is better than yours, I believe that my political system is better 
than yours, I believe that my school is better than yours, I believe that myweltanschauungis better 
than yours.


By extension, if my beliefs are better than yours, then I am better than you. And if I am better than
you then at some point it becomes okay for me to cheat you, oppress you, demean you, steal from
you, attack you, hate you, enslave you, control you, generally do whatever I want to do to you, especially if I am bigger and more powerful than you. This, in summary, is the history of manunkind and
uncivilization; neighbor against neighbor, country against country, religion, against religion."

This world of invented narratives becomes a microcosm in our household when we apply it to our family. I am older than you, I am smarter than you, I am bigger than you, I am better than you, I’m right and you’re wrong and that means I can (and will) control you.

My country is better than yours? Countries are just lines drawn on a map; the lines often representing the place where some ancient armies finally stopped killing each other. There is no such thing as a country. My economic system is better than yours? All economic systems are just a way of formalizing barter. Reli-
gion? Religions are merely formalized superstitions and rituals meant to honor God38. Most people
don’t even realize that they are atheists. You are. And so is the person sitting next to you and every-
one you know. You areselectiveatheists. You don’t believe in Zeus, Baal, Thor, Shakti, Isis, Ra (...)


once you’ve seen your way out of the cave, most things that the other hu-
mans say or do will be ridiculous to you.

Having knowledge of the cave gives you complete control over your life. Again, isn’t that a wonder- ful gift to 
give your children? Letting them know that they are welcomed to humanity without hav- ing to be anything else, 
that they are valued just as they are, and that anything they want to do or become is within their control?

 

Jon Colt
http://www.thebarkingcow.com/2010/02/cult-of-unschooling.html

No coments

http://housedesigndecorating.com/beautiful-pink-and-blue-theme-for-kids%E2%80%99-rooms
O que é que é "de loucos" a tv ou o quarto?

"Well, one thing that is really interesting is, right, 30 percent of children under the age of 2 have a TV set in their own bedroom. That's nuts, right? That's just crazy."


http://www.pbs.org/newshour/bb/science/july-dec11/kidsnscreens_10-25.html
um dia destes dedico-me a isto:



http://nourishinghope.com/2011/10/coconut-flour-vanilla-cake/

Fica "blogado" que é para não esquecer. 

O "maridão" fez este


http://recipestonourish.blogspot.com/2011/10/roasted-sweet-potatoes-apples.html

mas como não tínhamos batata doce foi com batata normal, como não sabemos o que é o Celtic Salt, foi com sal marinho integral e como nunca vimos a manteiga XPTO de que falam foi com Ghee. Acrescentou-se um fio de azeite. Não ficou nada crocante como na receita mas, garanto, estava delicioso.



Se virem esse segundo link vão perceber que não são só as receitas que me inspiram.

Um passeio pelo bairro

"A cidade não é uma causa, é uma consequência!"

Que belo seria o bairro, que bela seria a cidade se as gentes que os habitam fossem mais respeitadoras, menos usurpadoras, menos pobres e miseráveis.
Tendo em conta as previsões, é melhor habituar-mo-nos aos sem-abrigo pelas ruas, aos restos de refeições pelos jardins, às paredes despidas pelos ladrões de azulejos, aos espaços públicos fechados para usufruto só de alguns, aos jardins vedados ao público, aos cocós de cão a cada passo, às condutas de água a verter... concentre-mo-nos nas montras de outono enquanto ainda existe comércio tradicional, nas obras de arte que ainda povoam a cidade, nos relvados e lagos que resistem, na luminosidade da cidade, nos padrões engraçados da calçada portuguesa, no olhar das crianças que conseguem ver tudo isto e muito mais....
Chove a potes, hoje não há obras. Sem obras não há barulho mas isso não significa que a criança esteja a dormir.

Trabalhar em casa, com cianças.

Trabalhar a partir de casa sendo mãe a tempo inteiro é um grande desafio. Trabalhar a partir de casa, sendo mãe  a tempo inteiro e  tendo contactos formais para fazer, é um desafio triplo que estou a  superar com muita dificuldade.


Ser a mãe a tempo inteiro e trabalhar de forma remunerada é uma impossibilidade, é a prova de que não podemos ter tudo, é a prova de que nos mentiram sobre essa super mulher/mãe/trabalhadora que deveríamos ser mas, não somos.


Eu até podia dar conta dos contactos e pesquisas e quadros e tabelas vários que me vão chegando para fazer mas, não poderia ter um filho a puxar pela minha mão para ir brincar com o comboio, a pedir mama, a pedir colo, a querer comer porque já tem fome. E até podia gerir, com dificuldade, os tais quadros, telefonemas e pedidos mais o filho e a mama e o comboio se tudo isto acontecesse alternadamente e se, "on the top of that", não tivesse que fazer refeições, lavar a loiça, lavar, estender, guardar a roupa, arrumar os brinquedos....

Mas não, é tudo ao mesmo tempo, fome e tropeções nos brinquedos, e chuva a molhar os lençóis na corda, e telefonemas para fazer e quadros para preencher e informação para pesquisar, tudo ao mesmo tempo.

Capitulei, rendo-me às evidências, fica tudo desarrumado, comemos pizza (que o pai comprou, bio e de espinafres) a roupa pode apodrecer na corda, os telefonemas tem que ser feitos por outra pessoa, os quadros ficam preenchidos da melhor forma possível e que não é, de forma alguma, a forma como deveriam estar preenchidos (nem em forma, nem em conteúdo).

"And life goes on..." que o dinheiro chegue para pagar as vezes em que tivemos que recorrer à senhora que cuida do S nas emergências e que sobrem, pelo menos, uns pozinhos, para ir fazer umas sessões de relaxamento a ver se mitigo a enorme dor de estômago que tudo isto me deu.

Está quase a acabar, é só mais um esforço.

p.s 1 - a pizza é absurdamente salgada
p.s. 2 - que o trabalho de 3º's não fique comprometido por causa desta minha confusão.
p.s. 3 - o S já chegou ao Noddy
p.s. 4 - a pizza sabia mal porque estava esturricada (mais uma para a lista de coisas que não se conseguem fazer em simultâneo)
p.s. 5 - o maridão está a fazer a janta

Radiação electromagnética

http://www.emwatch.com/EMF%20Effects.htm

Desafio para as mães "internéticas"

Depois de ler este post pensei, e se todas mostra-se-mos como fica a nossa casa depois de um dia intenso?

Tendemos a pensar que "a casa da vizinha é mais arrumada do que a minha" mas, será que é mesmo?

http://organiclearning.blogspot.com/2008/06/photo-friday-meme-destruction.html


























A blogosfera está cheia de fotografias de casas imaculadas, lindíssimas, de mães, fadas do lar, com filhos que parecem anjos. E quando não estão aprumadas para a foto, como são realmente estas casas de fada?

Vamos escolher uma divisão qualquer, fotografar e mostrar o estado em que fica uma casa na qual as crianças brincam sem restrições? Vamos mostrar uma casa que "tem gente dentro"?

Se não tiverem vergonha de mostrar as vossas desarrumações em público, podem faze-lo nos vossos blogs, no facebook, por mail.

Se me enviarem um link, eu publico aqui no blog.


Quanto mais mães virem fotografias de casas reais, menos mães vão passar a hora de sesta dos seus recém nascidos a arrumar, para serem tão asseadas como manda o figurino.

Quanto mais mães virem fotos de quartos reais, menos mães vão dar palmadas aos seus filhos para que estes arrumem os brinquedos e assim se tornarem tão bons quanto os outros meninos.


Como fui eu a lançar o desafio, aqui fica:

Quarto, escritório, roupeiro, dispensa. Ainda não conseguimos determinar o que é esta divisão.

A foto mais "desarrumada" que me chegar ganha um frasquinho que óleo essencial (ainda não sei de quê), para ajudar nas limpezas.



5 apartamentos pequenos e super eficientes:

http://inhabitat.com/nyc/5-super-efficient-tiny-new-york-apartments/jpda-shoebox1-2/?extend=1





Uma escolinha, linda por dentro e por fora. Mais fotos aqui:

 http://www.inhabitots.com/waldorf-strawbale-preschool-in-cuernavaca-is-built-like-a-fairy-tale/

http://inhabitat.com/fairy-tale-strawbale-cottage-is-a-charming-waldorf-preschool-in-cuernavaca-mexico/

Detergentes feitos em casa, incluindo lixívia para roupa colorida

Detergente multi-usos:  água a ferver, bicarbonato, vinagre e umas gotas de óleos essenciais;

Detergente de roupa:  óleo essencial de árvore do chá


Desentupir canalizações: bicarbonato de sódio + vinagre e tapar com um pano molhado. Deixar repousar, enxaguar com água a ferver;

Lavar a loiça na máquina: vinagre ou limão + bicarbonato de sódio. Podem-se colocar na máquina de lavar loiça as metades de limão cujo sumo foi utilizado para outros fins;

Lixívia para limpar ou para roupa branca/colorida: 1 ½ copo de água oxigenada a  3% + 1/2 copo de vinagre branco + 5L água filtrada  + 10 gotas de limão ou de um óleo essencial à escolha;
Pode ser utilizada na máquina de lavar loila, ajuda a eliminar o calcário. Pode ser utilizada para limpar o WC, a banheira. Pode ser utilizada para deixar de molho roupa com nódoas ou como spray sobre as nódoas;

ATENÇÂO:

Não misturar água oxigenada e vinagre puros pois é tóxico.

Outras receitas de detergentes e cosméticos caseiros, aqui e aqui

Medidas e decisões eco-poupadinhas

Pedi inspiração às mães de transição para fazer uma listinha de medidas anti-crise. Aqui ficam as muitas e boas ideias que reunimos:


Lar: 

- Eliminar o excesso e o supérfluo;
- Mais cuidado com a agua/gas/electricidade;
- Não comprar prendas e peças de decoração, faze-las com a ajuda das crianças;



Deslocações:

- Usar menos o carro e mais a bicicleta;

- Rentabilizar o automóvel partilhando viagens;



Compras:

- Trocar com amigos (roupas para filhos, excedente da horta, etc);

- Comprar em feiras;

- Comprar biológico para poupar nos cuidados médicos;

- Comprar em saldo - roupa de verão em Set/Out e roupa de Inverno em Fev/Março;

- Comprar nacional - "Mas atenção que nem sempre os códigos de barras começados por 560 significam que o produto foi produzido cá. Muitos são apenas produtos rotulados em Portugal ou cujo importador e ditribuidor é português, os produtos podem ter vindo do outro lado do mundo. Ou os produtos podem ter sido produzidos cá, mas todas as matérias-primas foram importadas de longas distâncias... isso nem sempre significa que o produto é mais ecológico, ético ou até mais barato.";



Comunicações:


- Não usar o telemóvel, enviar mensagens gratuitas pela net;

- Escolher um tarifário de telefone que seja económico e adequado às necessidades. Por exemplo: optar por um tarifário que permita falar para uma rede grátis;

- Escolher um tarifário de telefone sem carregamentos obrigarórios;



Alimentação:


- Cultivar uma horta e faze-la render o máximo possível;

- Não comprar produtos processados, fazer em casa, leites vegetais, conservas, compotas, tartes, bolos, bolachas;

- Arranjar um rocket stove e cozinhar no terraço;

- Inventar na hora das refeições (usar o que tem e transformar pratos);

- Comida made in "me";

- Não comprar probióticos, faze-los em casa por exemplo, em legumes fermentados;

- Fazer pão em casa

- Comer apenas frutas e legumes da época e da região;

- Comer leguminosas demolhadas e germinadas;

- Nas alturas do ano menos ricas em diversidade de legumes e frutas, apostas nos super alimentos comoa erva trigo, clorela, spirulina, maca, bagas gogi;

- Comprar biológico em fim de prazo e congelar (50 a 50& de desconto)

- Comprar alimentos por "atacado", antes da subida do IVA;


Vestuário:


- Lavar roupa à mão;

- Reutilizar roupa ou tecidos que tenhamos em casa para criar peças "novas";

- Costurar/ tricotar;

- Para as roupas, apostar em tecidos bons e duráveis;

- Comprar/fazer a roupa das crianças alguns tamanhos acima para que durem bastante tempo;

- Transformar as camisolas de lã de adultos em camisolas e calças para crianças;

- Não comprar roupa, pedi-la no freecycle, no trocal, fazer trocas com amigos/as.


Fazer em casa os cosméticos e produtos de limpeza:


- Fazer pasta dos dentes caseira;

- Escovar os dentes com as miswak;

- Fazer champôo em casa;

- Não descurar o poder do sol enquanto tira nódoas.


Co-habitar:


- Arrendar um quarto em casa a um/uma estudante;

- Participar num programa internacional em que se recebem estudantes que vem aprender português e viver com uma família portuguesa;
- Partilhar casa;


Apostar nas trocas e doações:

- Usar a rede freecycle e outras do género para pedir o que se precisa e oferecer o que já não se usa;



A nível espiritual:

-  meditar;

-  orar:

- fazer yoga; 

- visualização positiva;


A nível afectivo:

- praticar o silencio e o espaço;

- amar;


Mudar de vida:


- Quem tiver a vontade de ir para a natureza, juntarem-se aos projectos ecológicos e eco-villages já existentes. Voltar á nossa mãe terra em tribos contemporaneas!

- Sair da cidade para o campo;

- Passar menos tempo na internet e mais tempo a "fazer coisas";

- Levar as crianças para o trabalho em vez de as levar para a "instituição";

Sites recomendados pelas mães de transição:


www.tribodar.com
sobre mães, filhos, médicos, puericultura, instinto, intuição ciência....

http://uepg.academia.edu/ligianemeira/Papers/478638/Da_Tarefa_ciclopica_a_mais_simples_Ser_mae._O_discurso_puericultor_de_1930
resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica resiliência ciclópica

Wish List

http://www.bettylukens.com/product-detail.php?pid=77&cat_id=23

http://squeakystroller.com/kids/gigantic-world-map

http://www.bettylukens.com/product-detail.php?pid=111&cat_id=20&sub_id=13







Ou algo melhor, parecido, emprestado, em 2ª mão. oferecido....












Iniciativa Waldorf Leiria

"eu goco eiste tum-tum gaaaaainnnde"

᠅ A vida em S. ᠅ - O quotidiano, perspectivado e registado pelo S. Cada foto remete para um momento, uma vivência, uma memória que queremos recordar, celebrar e agradecer.





Da varanda de casa vê-se uma escavadora em movimento. É a 9ª grande obra em torno da nossa casa, desde o nascimento do S.

A primeira foi dentro do prédio, nos primeiros meses de vida e implicou a reformulação total de um apartamento. A segunda e terceira foram  na rua e levaram ao duplo levantamento do passeio, com direito a martelo pneumático e tudo - primeiro a EDP, depois a EPAL. Nem pensar em conciliar as duas obras, eu tive o cuidado de perguntar...

A quarta obra voltou a ser dentro de portas, com a remodelação total de mais um apartamento. A utilização massiva de tintas, vernizes  e colas hiper-agressivos chegou a desesperar-me. Porquê não optar por materiais menos agressivos? É uma questão de preço? E o meu filho recém nascido que acordava às oito da manhã com o ar de tal forma empestado que nos fazia chorar os olhos? Qual o preço a pagar por isso?

Seguiu-se a quinta obra, a reformulação das partes comuns do prédio que fica duas portas abaixo, nunca pensei que o impacto, duas portas acima, fosse tão grande.

Mais ou menos ao mesmo tempo, porque vizinhos negligentes não fazem a manutenção dos escoamentos das águas pluviais, deu-se uma inundação que transformou o prédio num sarcófago de mofo.  O odor era pestilento e levou à sexta obra, mais uma vez, dentro de portas. Igualmente barulhenta mas, felizmente, menos química.

Para não quebrar a sequência, começou, logo de seguida, a sétima obra, reformulação integral do restaurante que fica do outro lado da rua, infelizmente, deu-se aí  um violento incêndio.

A oitava obra começou há duas semanas nas traseiras da casa e trata-se de uma intervenção  geral num dos miradouros de Lisboa. Mais uma vez, somos brindados com o som do martelo peneumático e marteladas, 7 horas por dia. Felizmente, para nós, os trabalhos nesta obra são intermitentes.

A Nona obra iniciou-se ontem e implica uma retro-escavadora a funcionar em frente à janela de casa.


Em dois anos, muitos foram os dias de calor infernal ou de chuva intensa, em que saímos de casa de emergência devido ao ruído em excesso ou aos odores intensos de tintas e vernizes.

Durante os primeiros meses de vida, sair com o S. era uma aventura pois ele mostrava-se muito sensível aos ruídos mecânicos. O som de uma ambulância, de carros a passar na rua ou até de uma máquina registadora a abrir (numa loja) eram gatilhos que o faziam explodir gritos e lágrimas. Nunca saberei se foram, ou não, efeitos da exposição continuada a marteladas, berbequins e máquinas de cortar azulejo em funcionamento das 8:00 às 13:00 e das 14:00 às 18:00, durante meses e meses a fio.

Se em relação em S. não consigo determinar os efeitos da exposição a tantos ruídos, no meu caso, posso garantir que cada martelada quase me faz sobressaltar o coração e o som continuado das máquinas me nubla os sentidos. A minha resistência ao ruído, ao pó e aos odores fortes está abaixo de 0.


Quando ontem vi a escavadora em funcionamento, tinha duas hipóteses, desesperar ou tirar partido da situação. Optei pela segunda. Não porque sou uma optimista nada e vejo o lado positivo de tudo mas porque, depois de tamanho massacre operário, não me restam alternativas. Assim sendo, montei um toldo à lá  "balcone italiano" para proteger o S. do sol e criei-lhe um camarote de luxo para ver e recriar o teatro dos "tum-tum".

Está a ser um sucesso como atesta o "mãe, eu goco tum-tum".

Espero que o meu cérebro consiga processar mais esta agressão e acompanhar a alegria do miúdo.

O nosso "balcone italiano" é mais ou menos assim (perdi os créditos da foto mas lembro-me que é de uma notícia de Jornal português):


Foi a primeira vez que quantifiquei todas as obras. Que alívio, não estou maluca, é mesmo ruído a mais para se aguentar, especialmente com um bebé em braços.  Foram tantos os dias que passamos a vaguear pela cidade para fugir a estas agressões que não admira que, passados dois anos, a criança não goste de estar fechada em casa.

"mãe, meu goco eiste"

"meu goco eiste cacaco",
"meu goco eiste ninó naaiiiande"
e a bola, o helicóptero, o cão, o menino, a menina, o carro, as sirenes...




Cortinado Novo, made by S.



᠅ A vida em S. ᠅ - O quotidiano, perspectivado e registado pelo S. Cada foto remete para um momento, uma vivência, uma memória que queremos recordar, celebrar e agradecer.

Nutrição para mãe e bebé


 
Saber mais sobre este livro: 
http://www.foodrenegade.com/real-food-for-mother-and-baby-by-nina-planck/







http://www.amazon.com/Healing-Our-Children-Preconception-Pregnancy/dp/0982021313/ref=pd_sim_b3#reader_0982021313

Primeiro dia com cheiro a Outono



Livro de Fotografia,  com páginas plastificadas, Mamans du Monde


 Ponto de Luz, Brahma Kumaris

Tempo de reflexão

A estabelecer conexões entre NÓS, o aqui e agora tal como nos é dado e as inspirações vindas do Conceito Contínuo, da Educação Intuitiva, da Antroposofia (mais abrangente do que a Pedagogia Waldorf per se), do ensino doméstico (incluindo o Waldorf homeschooling, o Waldorf inspired), do Unshooling, da tribo Arco-Iris, da permacultura... 

Nós, enquanto seres físicos, emocionais, espirituais e racionais, únicos e integrantes de uma unidade familiar igualmente sui generis, estamos em permanente adaptação e crescimento.

dos -0 aos 21 anos... Bondade | Beleza | Verdade




"The task of the parents is to provide GOODNESS from (pre) birth to 7 years of age.  The younger the child, the more the Mother's individuality is the primary director of that protection and nourishment.  The Father's individuality is to direct the protection of and nourishment of the mother so that she can protect and nourish the child.  The father also must intervene to foster Goodness for the child and is irreplaceable in his purpose to nourish (food and soul!) and protect both mother and child."

"When the child reaches the approximate age of 7-14 years, the focus of the parental responsibility is to surround the child with BEAUTY;"

"(...) from approximately 14-21 years of age, the child and all the adults around the child, take up TRUTH.  (...)

"In no case is Goodness abandoned during either of the later developmental periods; rather the developmental task of the age is the primary focus."

http://www.waldorfwithoutwalls.com/articles/breastfeeding

Como fazer detox das vacinas

Sempre me perguntei qual seria a resposta a esta questão. Finalmente, aqui está:
http://earthangelmumma.blogspot.com/2010/07/well-this-was-slightly-hard-subject-to.html




Ainda não li porque já passa das 4 da manhã mas assim que conseguir recuperar da noitada, lerei.

Reencontro, no arquivo do blog

Que bem soube reencontrar este projecto.

As imagens parecem bastante mais reais do que as de muitos blogs familiares que costumo visitar. Aliás, quantas vezes dei comigo a deitar um olhar em meu redor, depois de ver as fotos quotidianas de algumas mães "blogueiras" e a pensar "não devemos ser feitas da mesma fibra. Ai não, não!"

http://earthangelmumma.blogspot.com/
Não é por isso que este blog é menos inspirador: http://earthangelmumma.blogspot.com/

A ler com carinho

Foi a primeira vez que dei um passeio pelo meu próprio Índice de Conteúdos. Aproveitei para o arrumar mas devo dizer que essa arrumação é um work in progress que depende muito da forma como vou arrumando as minhas próprias concepções de maternidade, de vida, de como e com que fins manter este blog.

Obrigada por me acompanharem.

Beijinhos
http://alittlecraftynest.typepad.com/a-little-crafty-nest/family-rhythms/

Ritmo semanal #2
































Eu não sobreviveria a tanto crafting, a sensibilidade de quem nos visita também não mas, como havia explicitado num post anterior, gosto mesmo muito desta noção de ritmo semanal. Estou a trabalhar na melhor forma de acertar o nosso. Será menos crafty, obviamente.



Imagem de http://alittlecraftynest.typepad.com/a-little-crafty-nest/family-rhythms/